domingo, 1 de março de 2015

[Resenha] Para Sempre - Alyson Noël


Autora: Alyson Noël
Editora: Intrínseca
Páginas: 264
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Evermore

Nota: Essa resenha foi escrita em janeiro de 2014.

Resenha:

Para eles, o verdadeiro amor não tem fim.

Se existe uma saga que gera tantas opiniões mistas como Crepúsculo é Os Imortais. Enquanto milhões esquartejam, a mesma quantidade elogia e defende com unhas e dentes a história de Alyson Noël. Se eu estou fazendo a resenha, vocês já devem saber que eu estou no segundo team, não é? Mas não fecho os olhos e digo que essa é a melhor saga do mundo, muito pelo contrário. Para Sempre é muito bom, mas escorrega em alguns erros, como o fato de alguns sentimentos de Ever serem repetitivos em alguns momentos.

O livro inicial da saga (são seis, no total) conta a história de Ever, que perdeu a família em trágico acidente de carro. Sua única parente viva é a tia Sabine, e a garota é obrigada a se mudar para a casa da tia, que fica na Califórnia. Porém, depois do acidente, Ever adquiriu a estranha habilidade de ler mentes, ver a aura e saber toda a vida das pessoas com o simples gesto de tocá-las. Mas um novo aluno chega na escola e, misteriosamente, Ever não consegue desenvolver nenhuma dessas habilidades perto dele.

Só pela breve sinopse, já indicamos dois clichês do gênero. Edward já não lia mentes (exceto a de Bella), em Crepúsculo? Elena já não havia sido uma garota popular antes da morte dos pais, em The Vampire Diaries (na série, por favor)? Porém, eu adoro livros com temáticas sobrenaturais, principalmente quando envolve um casal. E mesmo com aquela famosa frase ''Nunca julgue um livro pela capa'', é impossível que alguém nunca tenha um lido um somente por achar a capa bonita. No meu caso, gostei da proposta do livro; amei a capa, então era meio que impossível deixar Para Sempre de lado.

Ever é café com leite para mim. Por mais que eu não concorde com algumas atitudes dela, existem mocinhas muito mais irritantes do que ela (sim, estou falando de Bella). Os amigos de Ever são Haven e Miles. Enquanto a primeira é who - tem plots zzZzZzz ou mal aparece -, Miles é bastante engraçado. Ao lado de Riley, irmãzinha morta de Ever que ela ainda pode ver, ele é o alívio cômico do livro. O único momento que Haven teve algo realmente importante para a história foi quando começou a andar com Drina, a ex de Damen e vilã do primeiro livro (dã!).

Já Damen (nome que me fez lembrar do Damon e imaginar o Ian como o personagem, por mais que ele seja moreno) é o típico protagonista do gênero: misterioso e sobrenatural. Alyson sambou dignamente nas nossas faces, jogando uma hipótese de Damen ser o que não é. Eu realmente acreditei, mas o que ele é de verdade é infinitamente melhor. Ponto para a Alyson. Damen também tem o hábito de dar tulipas vermelhas para Ever, e brancas para Stacia, inimiga da primeira. O significado de cada uma é muito bom, ri demais ao descobrir ambos, principalmente o de Stacia - já sabemos que a vermelha é ligado ao amor ou algo do tipo, né?

O final do livro é de tirar o fôlego. Temos barraco, confusão e gritaria, e um final bombástico. Lembro que demorei seis meses para ler a continuação, então vocês já imaginam o sofrimento que foi. Recomendo Para Sempre para quem gosta de títulos com temática parecida. E para quem já leu ou quer saber mais sobre Lua Azul, a critica do segundo livro está aí cima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário