terça-feira, 17 de outubro de 2017

[Resenha] Fogo Contra Fogo - Jenny Han e Siobhan Vivian

Autoras: Jenny Han e Siobhan Vivian
Editora: Novo Conceito
Páginas: 352
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Ashes to Ashes

A festa de Ano-novo terminou com uma tragédia irreparável, e Mary, Kat e Lillia podem não estar preparadas para o que está por vir. Após a morte de Rennie, Kat e Lillia tentam entender os acontecimentos fatais daquela noite. Ambas se culpam pela tragédia. Se Lillia não tivesse se apaixonado por Reevie. Se Kat não tivesse deixado Rennie ter partido sozinha. Se a vingança não tivesse ido longe demais, talvez as coisas seriam como antes. 

Agora, elas nunca mais serão as mesmas. Apenas Mary sabe a verdade sobre aquela noite. Sobre o que ela realmente é. Também descobriu a verdade sobre Lillia e Reeve terem se apaixonado, sobre Reeve ser feliz quando tudo o que ele merece é o sofrimento, assim como ela ainda sofre. Para Mary, as tentativas infantis de vingança ficaram no passado, ela está fora de controle e pretende sujar suas mãos de sangue, afinal, não tem mais nada a perder.

Nota: A resenha pode conter spoilers dos livros anteriores, Olho Por Olho e Dente Por Dente. Leia por sua conta e risco!

Resenha:

Os segredos as uniram, mas a verdade pode separá-las para sempre.

O final de Dente Por Dente foi incrível, por isso eu estava louco pelo terceiro livro da trilogia, que demorou bastante para sair - pensei até que a Novo Conceito havia desistido, e talvez isso deva ter acontecido mesmo, mas voltou atrás depois de inúmeros pedidos dos leitores. Infelizmente, apesar de não ser ruim, o livro não supriu totalmente a minha ansiedade e espera pelo desfecho da história.

Kat e Mary pareceram quase secundárias em comparação à Lillia, que teve inúmeros capítulos aqui e muito mais destaque - o que já havia acontecido em Dente Por Dente. O fato de Mary estar mais apagada nesse volume é até compreensível, por conta de seu plot, mas Kat merecia mais espaço na história, principalmente porque quase 98% dos momentos de Lillia são em torno de seu romance com Reeve, casal que não me desce. Mesmo assim, Kat teve alguns bons momentos com Alex, o que me deixou bem feliz, pois adoro os dois. Já mudança de Mary, apesar de me parecer mais uma tentativa de nos fazer simpatizar com Reeve, até faz sentido e rende bons momentos na história.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

[Resenha] As Nove Vidas de Chloe King: Banidos - Liz Braswell

Autora: Liz Braswell
Editora: Galera Record
Páginas: 224
Classificação: 3/5 estrelas
Título Original: The Nine Lives of Chloe King - The Fallen

Chloe King parece uma adolescente normal. Vai à escola, discute com mãe e se apaixona. Mas perto de seu aniversário de 16 anos, ela desconfia que pode não ser assim tão comum.

A visão noturna, os reflexos super-rápidos e as garras são algumas das pistas... Ao descobrir o que é — e de onde vem — ela logo percebe que não está sozinha. Alguém quer pegá-la. A qualquer custo. Ela tem nove vidas. Mas serão o bastante?

Resenha:

Perder uma vida pode realmente mudar uma garota.

Eu adorava The Nine Lives of Chloe King, então fiquei revoltado quando a ABC Family (agora Freeform) cancelou a série, principalmente depois daquela incrível Season Finale. A emissora até pensou em produzir um filme para concluir a história, mas acabou desistindo e divulgando o roteiro na internet, respondendo todas as perguntas deixadas na série. Não foi uma conclusão decente, óbvio, mas pelo menos aconteceu, diferente de muitas que são canceladas e nenhuma explicação é dada. Por isso, decidi ler os livros que inspiraram a série, pelo menos para matar a saudade dos personagens.

E começando por ele, são definitivamente o ponto alto do livro. É visível que a série foi bem fiel e todas as características deles foram mantidas na adaptação. Chloe é bem humana, com toda a impulsividade comum nos adolescentes; enquanto Alyec - sim, nos livros é Alyec, e não Alek - possui o mesmo ar bad boy, mas que não é irritante, e se preocupa com Chloe. Os dois são meus personagens favoritos na série, então foi ótimo ver que eles possuem a mesma personalidade nas duas mídias. Brian, a outra ponta do triângulo, também continua igual, possuindo apenas um drama diferente, que talvez viesse a acontecer na série, caso ela não tivesse sido cancelada. Os mais diferentes são Paul e Amy, amigos de Chloe, que na série possuem um tom mais cômico e aqui são mais centrados, mas nada prejudicial.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

[Resenha] A Lista Negra - Jennifer Brown

Autora: Jennifer Brown
Editora: Gutenberg
Páginas: 272
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Hate List

O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos.

Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, com os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas.

Resenha:

E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama?

Sempre ouvi comentários positivos sobre A Lista Negra, por isso minhas expectativas estavam altas e não via a hora de lê-lo.

Sobre o plot, Jennifer nos dá uma nova perspectiva em torno do tema, pois quase nenhuma história que aborde massacres mostra o retorno do "culpado" para o convívio social. E a autora não nos poupa, é uma história real e dolorosa - talvez na vida real seja até bem pior do que aqui -, e que nos conquista a cada capítulo. Os acontecimentos mostram cada vez mais o quão o bullying é algo que não deve ser praticado de forma alguma, e que as pessoas - principalmente adolescentes - deviam se conscientizar sobre isso.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

[Lista] Séries Abandonadas


Infelizmente, ás vezes, uma série nos decepciona em seu primeiro livro e ficarmos receosos de continuá-las e a decepção ser maior. Hoje, trouxe uma lista com 5 que isso aconteceu. Para saber mais detalhes sobre cada uma especificamente, basta acessar a resenha individual. Vamos lá!:

01. Estilhaça-me - Tahereh Mafi: 

O plot é até interessante, mas na época que li, não gostei dos personagens (exceto Warner) e mesmo sendo um livro curto, quase não terminava.

Nota: 2.5/5 estrelas.

02. Exclusivo - Kate Brian: 

Achava que essa série seria parecida com PLL, mas infelizmente a achei bem rasa e superficial. Os personagens não me conquistaram (principalmente a protagonista chatinha e algumas ações simplesmente não condizem com a realidade de uma escola tão rígida.

Nota: 2.5/5 estrelas.

03. Half Bad:

O mesmo problema de Exclusivo: personagens rasos e situações forçadas. O que motivou a ir até o fim desse primeiro volume foi o passado de Marcus, mas como nem isso é explorado nesse livro inicial, resolvi que não continuaria. E como a Intrínseca desistiu da série, ela acabou sem o último livro lançado aqui, então...

Nota: 2/5 estrelas.

04. Quando Cai o Raio:

Fiquei surpreso por não gostar tanto da série Desaparecidos pois adoro A Mediadora e as personagens principais são bem parecidas. E esse talvez seja o ponto alto da história. Jess é uma ótima personagem e o plot inicial também, mas a história me passa o um ar "bobinho", e como os livros da Meg são bem caros aqui, prefiro investir em outros - na própria A Mediadora, que está na mesma faixa de preço, por exemplo.

Nota: 3/5 estrelas.

05. The Game:

Por fim, a mais decepcionante! Adoro thrillers que mostram a tecnologia como a grande vilã, mas os personagens principais não conseguem segurar a narrativa. Apesar de Rebecca não ser tão ruim, HP consegue ser insuportável.

Nota: 2/5 estrelas.

domingo, 24 de setembro de 2017

[Resenha] Princesa Mecânica - Cassandra Clare

Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 434
Classificação: 4.5/5 estrelas
Título Original: Clockwork Princess

Neste volume, o mistério sobre Tessa Gray e o Magistrado continua. Mas enquanto luta para descobrir mais sobre o próprio passado, a moça se envolve cada vez mais num triângulo amoroso que pode trazer consequências nefastas para ela, seu noivo, seu verdadeiro amor e os habitantes do Submundo.

Nota: A resenha pode conter spoilers de Anjo Mecânico e Príncipe Mecânico, os volumes anteriores. Leia por sua conta e risco!

Resenha:

As Peças Infernais não têm pena. As Peças Infernais jamais deixarão de vir.

Estava receoso em relação à Princesa Mecânica, porque sempre vi comentários de que seu final era destruidor, então é impossível não imaginar o pior - principalmente quando você se apega aos personagens como foi o que aconteceu comigo lendo a trilogia.

Os personagens continuam muito bem desenvolvidos, principalmente Jem, com sua piora em relação ao vício em yin fen. Cassandra nos deixa aflitos com a possibilidade dele morrer a qualquer momento. E chega até a ser repetitivo elogiar como ela consegue tornar crível a relação de Jem e Will, mas esse laço cresce mais ainda nesse volume - se é que é possível. O fim do triângulo amoroso também é totalmente inesperado, nunca passou pela minha cabeça que isso pudesse acontecer; assim como a verdadeira origem de Tessa. É tudo muito bem arramado pela autora, que não deixa nenhuma ponta solta.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

[Resenha] Cidade das Almas Perdidas - Cassandra Clare

Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 434
Classificação: 4.5/5 estrelas
Título Original: The Mortal Instruments - City of Lost Souls

Resenha:

Até onde você iria por amor?

Apesar de Cidade dos Anjos Caídos não ter mantido o mesmo nível de Cidade de Vidro, seu cliffhanger foi incrível, o que me deixou mais do que ansioso para Cidade das Almas Perdidas.

Sem dúvidas, esse quinto volume é maravilhoso para quem gostou de Sebastian, pois é aqui que ele se firma como o novo vilão da série, e temos inúmeras sequências memoráveis envolvendo-o. Cassandra o criou de uma forma tão incrível que gostamos do personagem, mesmo sabendo do que ele é capaz. É o melhor personagem do livro e os melhores momentos o envolvem. Clary também foi muito bem introduzida no novo problema envolvendo o irmão e Jace, sendo um de seus melhores momentos na série. Já Jace, por outro lado, ficou um pouco apagado, mas foi compreensível, em vista de sua situação.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

[Sorteio] A Culpa é das Estrelas e Quem é Você, Alasca?


No Instagram oficial do blog está rolando sorteio de dois livros do John Green: A Culpa é das Estrelas e Quem é Você, Alasca?, na edição especial de 10 anos!

Para concorrer, basta ir aqui e ler o post para saber como participar. Mas corre, porque o sorteio só vai até 26/09, ás 19h! Boa sorte!

sábado, 9 de setembro de 2017

[Resenha] Minha Metade Silenciosa - Andrew Smith

Autora: Andrew Smith
Editora: Gutenberg
Páginas: 304
Classificação: 3.5/5 estrelas
Título Original: Stick

Stark McClellan tem 13 anos. Por ser muito alto e magro, tem o apelido de Palito, mas sofre bullying mesmo porque é “deformado”, já que nasceu apenas com uma orelha. Seu irmão mais velho, Bosten, o defende em qualquer situação, porém ambos não conseguem se proteger de seus pais abusivos, que os castigam violentamente quase todos os dias.

Ao enfrentar as dificuldades da adolescência estando em um lar hostil e sem afeto – com o agravante de se achar uma aberração –, o garoto tem na amizade e no apoio do irmão sua referência de amor, e é com ela que ambos sobrevivem.

Um dia, porém, um episódio faz azedar terrivelmente a relação entre Bosten e o pai. Para fugir de sua ira, o rapaz se vê obrigado a ir embora de casa, e desaparece no mundo. Palito precisa encontrá-lo, ou nunca se sentirá completo novamente. A busca se transforma em um ritual de passagem rumo ao amadurecimento, no qual ele conhece gente má, mas também pessoas boas. Com um texto emocionante, personagens tocantes e situações realistas, não há como não se identificar e se envolver com este poético livro.

Resenha:

"Acho que, às vezes, coisas que parecem muito importantes tomam outro aspecto quando a gente se vira e olha de novo alguns quilômetros adiante." (pág. 230)

Há muito tempo queria ler Minha Metade Silenciosa, devido aos comentários positivos que ouvia sobre a história. Infelizmente, a leitura não foi tão perfeita como imaginei que seria.

Sobre os personagens, Bosten foi meu favorito. Já havia desconfiado da reviravolta que o envolve, então não foi surpresa quando isso se confirmou. Stark, apesar disso, também é bem desenvolvido e importante; seus sentimentos e ações são críveis de um adolescente de 13 anos - como o fato de se excitar com determinadas coisas, o que é extremamente normal nessa idade. É impossível não torcer por esses irmãos diante de tudo que eles sofrem em casa e na escola. A relação dos dois foi muito bem construída por Andrew e o amor que um nutre pelo outro é sentido. Dahlia, a tia dos meninos, também nos conquista e seus sentimentos pelos sobrinhos também é palpável.

sábado, 2 de setembro de 2017

[Resenha] Príncipe Mecânico - Cassandra Clare

Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 406
Classificação: 4.5/5 estrelas
Título Original: Clockwork Prince

Tessa Gray não está sonhando. Nada do que aconteceu desde que saiu de Nova York para Londres - ser sequestrada pelas Irmãs Sombrias, perseguida por um exército mecânico, ser traída pelo próprio irmão e se apaixonar pela pessoa errada - foi fruto de sua imaginação.

Mas talvez Tessa Gray, como ela mesma se reconhece, nem sequer exista. O Magistrado garante que ela não passa de uma invenção. Para entender o próprio passado e ter alguma chance de projetar seu futuro, primeiro Tessa precisa entender quem criou Axel Mortmain, também conhecido como Príncipe Mecânico.

Resenha:

"- Ainda não partiu o coração dele, partiu?
- Não - disse Tessa. Só quebrei o meu em dois." (pág. 379)

Estava louco para ler Príncipe Mecânico e descobrir mais sobre o passado de Tessa - e ver mais momentos entre ela e Will -, após o ótimo final de Anjo Mecânico. E felizmente, o livro não me decepcionou!

O foco principal desse segundo volume é o fortalecimento das relações, o que foi um ponto extremamente positivo pois Anjo Mecânico conseguiu nos nos fazer gostar dos personagens, logo queremos saber mais sobre eles. E esse sentimento cresce muito mais aqui, principalmente por Will. É impossível não se comover com seu triste passado, tão forte quanto o de Jem. Não havia dúvidas de que a relação entre os dois era forte e verdadeira, mas Cassandra consegue reforçá-la ainda mais com o passar dos capítulos.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

[Resenha] Proibido - Tabitha Suzuma

Autora: Tabitha Suzuma
Editora: Valentina
Páginas: 304
Classificação: 5/5 estrelas
Título Original: Forbidden

Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.

Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes.

Eles são irmão e irmã.

Resenha:

Como uma coisa tão errada pode parecer tão certa?

Mesmo antes de começar a ler Proibido, já sabia que seria uma leitura pesada por conta da premissa e dos comentários que li. Mas ainda assim não chegou nem perto de toda a montanha russa de sentimentos que vivi durante a história.

É impossível não torcer por Maya e Lochan - principalmente por ele - desde o primeiro capítulo de ambos, a conexão é instantânea. Crescemos numa sociedade onde incesto é considerado pecado, mas Tabitha consegue nos fazer questionar se tal relação é mesmo um crime, principalmente por Maya e Lochie não se enxergarem como irmãos - e até nós não conseguimos vê-los de tal forma. Em determinado momento, Maya compara a diferença entre seus sentimentos por Lochie e Kit (outro irmão) e é incrível como é exatamente o que pensamos sobre ter esse tipo de relação com um irmão.