quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Os 5 Melhores e Piores de 2015!


2015 está chegando ao fim e é a hora de listar a experiência com as leituras deste ano. Decidi fazer um top 5 com os melhores e piores, começando pelos piores e depois com os que eu recomendo.

Esse ano li, no total, 51 livros (49 novos e 2 releituras) e achei uma média final boa, pois não estipulei metas para o ano. Mas para 2016 quero ler, no mínimo, 60 livros. Agora chega de papo e vamos ver quais foram minhas escolhas. Espero que gostem!


1. Feios, de Scott Westerfeld - Editora Galera Record

Resenha AQUI.

Esse foi, sem dúvidas, o pior livro do ano. Desde quando li a sinopse da história, fiquei animado mas foi só começar a leitura para minhas expectativas irem por água abaixo. Os protagonistas são chatos, a história é arrastada e perdi as contas de quantas vezes fechei o livro após ler só algumas páginas. Espero que a série melhore em suas continuações.

2. Estilhaça-me, de Tahereh Mafi - Editora Novo Conceito

Resenha AQUI.

Outra distopia que eu estava bastante animado após ler a sinopse. Confesso que achei bem original e interessante a forma como o livro é narrado, remetendo claramente à confusão mental de Juliette. Mas apesar disso, achei a história fraca e os personagens mais ainda.

3. O Inverno das Fadas, de Carolina Munhóz - Editora Casa da Palavra

Resenha AQUI.

A sinopse do livro também parecia promissora e, de fato, a história é. Porém, acho que foi mal desenvolvida e por isso, ela foi uma decepção. Adorei Sophia, a protagonista, mas William é muito chato.

4. Os Instrumentos Mortais - Cidade dos Ossos, de Cassandra Clare | Editora Galera Record

Resenha AQUI .

Outra saga que estava ansioso para começar, mas o que recebi foi insatisfatório. O livro é cheio de cenas de ação, mas parece que as 200 primeiras páginas se resumem à apenas isso, já que durante elas a história não se desenvolve. Os personagens são chatos com poucas melhorias ao longo do livro, mas até que a história rende surpresas, como um triângulo amoroso sem ser clichê.

5. Diários do Vampiro: O Retorno - Almas Sombras, de L. J. Smith | Editora Galera Record

Resenha AQUI.

Diários do Vampiro é uma das minhas sagas favoritas. Li os sete primeiros livros esse ano e a primeira parte é muito boa, mesmo que o quarto livro tenha lá seus pontos negativos. Mas foi só a autora lançar essa nova trilogia para tudo se perder. Os livros são extensos e algumas histórias desinteressantes. Mas Almas Sombrias, o sexto, é o pior deles. Odiei o livro e não acredito que essa é a L. J. que escreveu tão bem os primeiros livros da série - e de outras também, como Círculo Secreto e Mundo das Sombras.


1. Simplesmente Acontece, de Cecelia Ahren - Editora Novo Conceito

Resenha AQUI.

Essa é a categoria mais difícil de escolher pois tive ótimas leituras esse ano, mas acho que Simplesmente Acontece se sobressaiu no final. Adorei a história e os personagens, e quase ficava louco quando algo atrapalhava Rosie e Alex. E apesar do livro ser bem volumoso, a li ele em três dias. Mais que recomendado!

2. O Jogo da Mentira, de Sara Shepard - Editora Rocco

Resenha AQUI.

Sara Shepard conseguiu me prender totalmente com a trama de Sutton e Emma. A história é cheia de plots twist e desconfiamos de todos os personagens à todo momento, eu não conseguia largar o livro por muito tempo até terminá-lo. Mal posso esperar para ler os outros!

3. Antes que eu Vá, de Lauren Oliver - Editora Intrínseca

Resenha AQUI.

Sou grande fã da trilogia Delírio e isso me fez querer ler todos os livros de Lauren Oliver. E o primeiro fora do mundo da distopia não poderia ter sido mais satisfatório. Lauren conseguiu construir uma história e personagens tão profundos que você começa odiando Sam, mas quando se dá conta, já está torcendo pela personagem. O final do livro me deixou estático por alguns minutos. Recomendado, sem dúvidas!

4. Gossip Girl - As Delícias da Fofoca | Editora Galera Record

Resenha AQUI.

Comecei a leitura do livro meio receoso, pois haviam me dito que os livros de Gossip Girl não eram tão bons quanto a série de TV. Mas os livros são tão maravilhosos quanto ela! Apesar de ser uma série fútil e sem maiores pretensões, me diverte e são leituras rápidas e boas. Já li cinco dos treze volumes e As Delícias da Fofoca, o primeiro, é meu preferido até o momento.

5. Cartas de Amor aos Mortos, de Ava Dellaira - Editora Seguinte

Resenha AQUI.

Adiei a leitura do livro por muito tempo e quando o fiz, comecei odiando a protagonista, Laurel, mas ela me ganhou ao longo do livro e eu passei a sofrer com medo de que ela fizesse alguma besteira antes da história terminar. Se ela faz? Terão que ler para descobrir haha. Ava conseguiu escrever um livro sensível e que nos faz refletir.


E é isso, pessoal! Desejo um feliz 2016 para todos vocês, com muitas alegrias, saúde e, claro, leituras hahaha. Obrigado por tudo.

Comecei "Harry Potter"!


Começar Harry Potter era uma das minhas metas literárias para 2015 e, felizmente, consegui completá-la! A demora foi porque queria comprar o box mas por motivos maiores (leia-se falta de dinheiro hahaha), acabei tendo que pegá-lo emprestado mesmo. Li A Pedra Filosofal e, em breve, irá sair a resenha, mas fiz esse post para compartilhar minha história com a série.

Confesso que a febre passou por mim na época que os filmes estavam sendo lançados pois minha prima era muito fã, mas eu não virei tanto assim (mas gostei tanto do Daniel Radcliffe e da Emma Watson, que assisto os filmes que eles participam desde então). Vi os três primeiros e parte do quarto há anos, mas o mais vivo - e preferido - na minha memória é A Pedra Filosofal devido as reprises constantes do SBT. Mas acho que não ver os filmes é até bom, pois na medida que eu for lendo os livros, irei os assistindo.

Agora, focando no livro, eu amei! Quem já leu sabe como a história é boa e adorei o modo como a J.K. criou esse mundo. É tudo tão bem detalhado que é impossível não acreditar que é "real" e a história é involvente, você sente-se como se estivesse ali, do lado dos personagens. Sempre via as pessoas dizendo que esse primeiro era bom ser lido no Natal e até existe uma parte que se passa na data, mas acho que o livro pode ser lido em qualquer época. Por isso, se você ainda não leu Harry Potter, que tal começar também? Pretendo ler um volume por mês e ainda em 2016 finalizar a série, vamos ver se eu consigo. E dentro de alguns dias, a resenha do primeiro livro com minha opinião completa estará disponível aqui, então fiquem ligados no blog.

sábado, 19 de dezembro de 2015

[Resenha] Réquiem - Lauren Oliver

Autora: Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
Páginas: 304
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Réquiem

No desfecho da trilogia em que o amor é considerado uma doença, Lena é um importante membro da resistência contra o governo. Transformada pelas experiências que viveu, está no centro da guerra que logo eclodirá. Depois de resgatar Julian de sua sentença de morte, Lena e seus amigos voltam para a Selva, cada vez mais perigosa. Enquanto isso, Hana, sua melhor amiga de infância, foi curada. Ela leva uma vida segura e sem amor junto ao noivo, o futuro prefeito. Às vésperas do casamento e da eleição - cujo resultado pode dificultar ainda mais a vida dos Inválidos -, Hana se questiona se a intervenção realmente tem efeito. Vivendo em um mundo dividido, Lena e Hana narram suas histórias em capítulos alternados. O que elas não sabem é que, em lados opostos da guerra, suas jornadas estão prestes a se reencontrar.

Nota: Esse é o terceiro livro da trilogia, por isso, a resenha poderá conter spoilers de Delírio e Pandemônio. Leia por sua conta e risco!

Resenha:

"Queríamos liberdade para amar. Queríamos liberdade para escolher. Agora, temos que lutar por isso." - Lena.

Delírio foi a primeira distopia que eu li - pois vamos combinar que A Seleção não é lá o melhor exemplo desse segmento - e tenho um enorme carinho pela história e os personagens. Amei o primeiro livro e mesmo o segundo sendo inferior à ele, também me ganhou e quase me matou com aquele final, por mais que fosse esperado por quase todos os fãs. E depois de muito tempo, enfim li a conclusão da trilogia de Lauren Oliver.

Antes mesmo de lê-lo, vi resenhas que me deixaram um pouco desanimados, pois todos entraram em um concesso de que a história terminou com um final aberto e se isso já é ruim em uma história normal, quem dirá em uma distopia. Talvez por isso tenha adiado tanto a leitura, mesmo com a curiosidade de ver o que aconteceria depois do final de Pandemônio, afinal Alex estava de volta. E é a partir desse plot que Réquiem começa, nos mostrando como Lena absorveu essa bomba. Diante disso, o relacionamento dela com Julian - e com o próprio Alex - não poderia estar pior.

São discussões atrás de discussões e muitos reclamaram que Lena focou-se mais em seu romance do que na guerra, mas discordo. Ela se doou por completo aos planos durante ao livro, mas era impossível que parte dela também não sofresse com o retorno de Alex e de sua mãe, Annabel. Foram cargas emocionais intensas que a personagem viveu desde o primeiro livro, por isso a entendi perfeitamente. Acho que a Lauren soube manter muito bem o equilíbrio entre o drama pessoal da personagem e sua participação na rebelião contra o governo.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Netflix compra os direitos de "Shadowhunters"!


A Netflix acaba de anunciar nesta sexta (18) que comprou os direitos de "Shadowhunters", e assim como acontece com "Better Call Saul" e "From Dusk Till Dawn", os episódios devem estar disponíveis no catálogo um dia após a exibição americana.

Ou seja, já no dia 13 de Janeiro, o episódio deverá estar disponível também para os assinantes brasileiros, já que a estreia oficial na ABC Freeform ocorre dia 12.

A série acompanha Clary Fray (Katherine McNamara), que descobre em seu aniversário de 18 anos que ela não é quem pensa que é, mas sim que vem de uma longa linhagem de Caçadores de Sombras – híbridos humano-anjos que caçam demônios. Quando sua mãe Jocelyn (Maxim Roy) é sequestrada, Clary é lançada num mundo de caça aos demônios com o misterioso Caçador de Sombras, Jace Wayland (Dominic Sherwood), e seu melhor amigo, Simon (Alberto Rosende). Agora vivendo entre fadas, feiticeiros, vampiros e lobisomens, Clary começa sua jornada de autodescobrimento enquanto aprende mais sobre seu passado e sobre o que seu futuro pode estar lhe reservando.

Para ler a resenha do primeiro livro, Cidade dos Ossos, clique aqui.

[Resenha] Os Instrumentos Mortais - Cidade dos Ossos | Cassandra Clare

Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 462
Classificação: 3.5/5 estrelas
Título Original: The Mortal Instruments - City of Bones

Quando Clary decide ir a Nova York se divertir numa discoteca, nunca poderia imaginar que testemunharia um assassinato - muito menos um assassinato cometido por três adolescentes cobertos por tatuagens enigmáticas e brandindo armas bizarras.

Clary sabe que deve chamar a polícia, mas é difícil explicar um assassinato quando o corpo desaparece e os assassinos são invisíveis para todos, menos para ela. Tão surpresa quanto assustada, Clary aceita ouvir o que os jovens têm a dizer... Uma tribo de guerreiros secreta dedicada a libertar a terra de demônios, os Caçadores das Sombras têm uma missão em nosso mundo, e Clary pode já estar mais envolvida na história do que gostaria. 

Resenha:

Um mundo oculto está prestes a ser revelado... 

Depois de assistir a adaptação de Cidade dos Ossos em 2013, fiquei curioso para ler os livros,  mas fiquei adiando até que a saga foi cancelada no cinema e a série de TV anunciada. E em vista de que ela deverá ter bastante spoilers dos livros, decidi lê-los antes da mesma estrear. Porém, após finalizar este, vi que demorarei um pouco para ler os próximos.

Primeiramente, o começo do livro é muito lento. As cenas de ação são frenéticas, sim, assumo, mas parece que a história não sai do lugar nas 150 primeiras páginas. Para completar, não consegui gostar de Jace e Clary logo de cara. Ele era extremamente irritante com seu ego, enquanto ela não tem carisma algum. E como o foco dessa primeira parte é totalmente sobre eles, passei dias (!!) para sair dessa primeira parte da história. Mas, felizmente, a história sofre uma mudança na segunda parte e começamos a ver o verdadeiro Jace, que ainda se acha, mas ao menos usa isso de forma sarcástica e me arrancou algumas risadas.

domingo, 29 de novembro de 2015

[Resenha] Gossip Girl - Do Jeito Que Eu Gosto | Cecily Von Ziegesar

Autora: Cecily Von Ziegesar
Editora: Galera Record
Páginas: 272
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Gossip Girl - I Like It Like That

Neste volume há muita expectativa no ar, pois as férias de primavera estão chegando. Serena e Blair estão de malas prontas para muita diversão e esqui em Sun Valley, para onde vão em companhia de Eric, o gatíssimo irmão de Serena por quem Blair se descobre loucamente interessada. Nate também parte para a estação de esqui, e só pensa nos momentos incríveis que vai passar com sua bela e doida namorada. 

Mas as novidades também não dão trégua aos que ficam em Nova York: Dan é convidado a estagiar numa renomada revista literária e se sente atraído por alguém diferente; Jenny se depara com chocantes descobertas sobre seu adorado Leo; Vanessa está cheia de novidades, incluindo um novo namorado... E toda essa movimentação só suscita - e ressuscita - novas e antigas questões: Blair perderá a virgindade com o irmão de sua melhor amiga? Dan vai se apaixonar? Um novo amor fará com que Vanessa se esqueça de Dan? Gossip Girl finalmente se revelará?

Resenha:

Quando envolve os adolescentes do Upper East Side, o assunto é sempre mais interessante.

Gossip Girl foi, sem dúvidas, uma das séries que eu mais gostei de ter começado esse ano. Mesmo que eu ache algumas coisas exageradas e fúteis, adoro os personagens e finalizo a leitura dos livros rapidamente, geralmente entre dois ou quatro dias. E com esse volume não foi diferente.

Apesar de apostar novamente em férias dos personagens - Eu Quero Tudo! já abordou isso -, esse momentos se Sun Valley, numa estação de esqui, e a história já ganhou pontos comigo só por se desenrolar no inverno. Os pontos altos do livro foram no local, afinal os melhores personagens da série de livros são Serena, Blair e Nate, e os três estavam lá. Diferente dos anteriores, em Do Jeito que eu Gosto, Serena não esteve em nenhum relacionamento. Seu plot da vez foi o ciúmes que ela sentiu de ver Blair interessada por Eric, seu irmão mais velho - mostrando como o mundo é pequeno, já que no terceiro livro era Blair que estava nessa situação devido ao romance de Serena com Aaron.

Blair, por sua vez, continuou na sua saga de perder a virgindade e dessa vez escolheu o já mencionado Eric. Achei bacana que em determinado momento, ele disse para a garota que ela sabia que ele não era o cara certo para ela, deixando em aberto se Blair deve ficar com Nate ou Aaron. Particularmente prefiro a personagem com Nate, já que diferente da série de TV, ela e Chuck não tem nenhum tipo de envolvimento nos livros. E falando em Nate, ele continuou em sua caminhada contra usar drogas novamente, o que abalou seu namoro com Georgie, já que isso é a única coisa que a personagem sabe fazer - e sua situação só piora quando ela começa a andar com Chuck.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

[Resenha] Canção do Mar - Amanda Hocking

Autora: Amanda Hocking
Editora: Planeta
Páginas: 206
Classificação: 3.5/5 estrelas
Título Original: Lubally

Harper só quer uma vida segura e normal. Mas quando sua jovem irmã Gemma foge com um bando de garotas bonitas e perigosas, Penn, Thea, e Lexi, tudo muda. Jurando conseguir sua irmã de volta, Harper deve encarar perigos que jamais experimentou. Felizmente, ela tem Daniel do seu lado, um deslumbrante garoto que está ajudando em sua busca e é imune aos poderes sombrios das garotas.

Enquanto Harper procura sua irmã, Gemma se esforça para se ajustar a sua nova vida. Seus poderes estão crescendo mais a cada dia, e quanto mais tempo vive com suas novas “irmãs”, mais difícil é resistir ao seu mágico mundo. É um reino tanto sombrio quanto bonito, onde ela é atormentada por uma estranha fome e necessidades indizíveis. Justo quando ela está afastando-se de sua antiga vida, Harper e Daniel a encontram… mas ninguém pode negar o quanto ela mudou. Tudo o que ela quer é voltar para sua família e seu mundo mortal, mas como ela poderá fazer isso quando ela se tornou algo totalmente diferente — e será que eles ainda a amarão quando descobrirem a verdade?


OBS: Essa resenha é do segundo volume da série Watersong, portanto, poderá conter spoilers do primeiro livro.

Resenha:

Quando a canção do Oceano chama, é impossível resistir.

Apesar de não ser um livro memorável, o final de Despertar me deixou muito curioso para saber o que aconteceria depois do que houve, então peguei Canção do Mar para cessar essas dúvidas. Pobre ilusão minha, pois ao invés de respostas, esse volume só traz mais e mais perguntas. Mas isso não significa que o livro seja ruim.

Esse volume, assim como o primeiro, foca muito em Harper - mas muito mais que o primeiro -, o que me chateou novamente pois minha personagem favorita é Gemma (e a protagonista da história, vale lembrar). A autora podia ter explorado muito mais esse lado selvagem de Gemma que sempre entra em choque com seu lado humano, mas preferiu nos fazer acompanhar os mimimi de Harper sobre ficar ou não com Daniel. Ela gosta dele, mas sempre inventa alguma desculpa para não seguir com o romance. Quantas histórias já não vimos ou lemos com esse mesmo clichê? Pois é.

Pelo menos, Daniel é um personagem interessante e esse livro continua insistindo que ele pode ser algum lado sobrenatural, pois ainda é imune ao feitiço das sirenas. E falando nelas, as três continuam tão bem desenvolvidas quanto no primeiro livro, mas nesse segundo, Thea ganha mais destaque do que Penn e podemos ver que ela não é tão ruim como a meia-irmã. Também gostei da reviravolta que Amanda Hocking fez no final, ao mostrar que as próprias sirenas foram enganadas e acreditaram em uma mentira por anos. Gemma, apesar do espaço limitado, também foi desenvolvida e todo seu dilema entre se entregar ou não a maldição foi bom de se acompanhar. Só Alex que ainda continua mal desenvolvido, sem grandes propósitos na trama, a não ser o namorado de Gemma.

O ritmo da história continua igual ao do livro anterior e eu até gosto desse estilo da Amanda, ele funciona com essa mitologia e até faz a história parecer bem rápida. Meu único problema foi mesmo com o maior destaque ser sobre Harper, que não é lá minha personagem favorita em livros... Mas o cliffhanger deixado para a continuação, Tidal, foi interessante e se você gostou do primeiro, vale a pena dar uma chance à esse. Pena que, ao que tudo indica, a série foi descontinuada pela Editora Planeta, pois todos os livros já foram publicado nos EUA, mas aqui o último lançado foi esse e em 2013!

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

[Resenha] Antes Que Eu Vá - Lauren Oliver

Autora: Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
Páginas: 368
Classificação: 4.5/5 estrelas
Título Original: Before I Fall

Samantha Kingston tem tudo: o namorado mais cobiçado do universo, três amigas fantásticas e todos os privilégios no Thomas Jefferson, o colégio que frequenta — da melhor mesa do refeitório à vaga mais bem-posicionada do estacionamento. Aquela sexta-feira, 12 de fevereiro, deveria ser apenas mais um dia de sua vida mágica e perfeita. Em vez disso, acaba sendo o último. Mas ela ganha uma segunda chance. Sete “segundas chances”, na verdade. E, ao reviver aquele dia vezes seguidas, Samantha desvenda o mistério que envolve sua morte — descobrindo, enfim, o verdadeiro valor de tudo o que está prestes a perder.

Em uma noite chuvosa de fevereiro, Sam é morta em um acidente de carro horrível. Mas em vez de se ver em um túnel de luz, ela acorda na sua própria cama, na manhã do mesmo dia. Forçada a viver com os mesmos eventos ela se esforça para alterar o resultado, mas acorda novamente no dia do acidente. O que se segue é a história de uma menina que ao longo dos dias, descobre através de insights desoladores, as consequências de cada ação dela. Uma menina que morreu jovem, mas no processo aprende a viver. E que se apaixona um pouco tarde demais.

Resenha:

E SE tudo o que você tivesse fosse um único dia?

Eu sou grande fã da trilogia Delírio e isso era motivo suficiente para mim querer conhecer os outros livros da Lauren Oliver. E depois de ver várias resenhas positivas sobre Antes Que Eu Vá, minha ansiedade para lê-lo só aumentou. E após finalizar a leitura, pude comprovar que o livro é mesmo muito bom e não me decepcionou - mesmo não sendo tudo o que li nas resenhas.

Começando por Sam, assim como todo mundo que leu o livro, odiei a personagem e suas amigas no começo e nem senti pena do que havia acontecido com ela até o primeiro dia. Mas eu sabia que isso ia mudar com o passar do livro e por volta do terceiro dia, já estava torcendo pela personagem. O modo como Lauren a construiu tornou Sam tão humana, é inexplicável ver sua transformação ao longo da leitura. Infelizmente, não senti o mesmo por Lindsay. Mesmo com a tentativa de humanização que Lauren tentou fazer, ainda a acho manipuladora e inescrupulosa, nada justifica o que ela fez com Juliet por anos.

As outras duas amigas de Sam, Ally e Elody, também não ganharam minha simpatia; mas adorei Kent, Juliet e Izzy, a irmãzinha de Sam. Destaco a conversa que Sam tem com a irmã e como ela nos faz lembrar que quando éramos pequenos, não nos preocupávamos com a imagem que passaríamos para as pessoas ao nosso redor. Kent, assim como Sam, vai se mostrando uma pessoa totalmente diferente com o passar dos dias e é impossível não torcer pelos dois. E Juliet também, afinal quando as verdades aparecem, a personagem só mostra o quanto foi vítima de Lindsay.

sábado, 31 de outubro de 2015

Zoey Deutch protagonizará adaptação de "Antes Que Eu Vá"


A Awesomeness Films irá adaptar o livro Antes Que Eu Vá de Lauren Oliver e a atriz que dará vida a Samantha Kingston já foi anunciada: Zoey Deutch, a Rose de Academia de Vampiros. O roteiro foi escrito por Maria Maggenti e a direção ficará a cargo de Ry Russo-Young.

Segundo o IMDb do filme, Diego Boneta (atualmente em Scream Queens) e Logan Miller também estarão no longa. Pelas características físicas dos atores, acredito que eles irão viver Rob e Kent, respectivamente; mas isso ainda não foi confirmado. Ry Russo-Young vai dirigir o roteiro escrito por Maria Maggenti.

O livro gira em torno de Sam, uma veterana do ensino médio que parece ter a vida perfeita até a sexta-feira, 12 de fevereiro, que deveria ser só mais um dia. Em vez disso, ele acaba sendo o último. Mas então ela ganha uma segunda chance, e outra, e outra, e revive o mesmo dia vezes seguidas enquanto tenta desvendar o mistério de sua morte — descobrindo, enfim, o verdadeiro valor de tudo o que está prestes a perder.

Enquanto lia o livro, eu não imaginei Sam como a Zoey, mas adoro ela e espero que o filme seja fiel ao livro. Se quiser saber mais sobre ele, a resenha está aqui.

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

"Os 13 Porquês" irá virar série de TV!

Finalmente, a tão esperada adaptação de Os 13 Porquês irá acontecer! Mas diferente do que foi inicialmente planejado, o projeto não será um filme, mas uma série produzida por Selena Gomez.

Além de Selena, Mandy Teefey - mãe da cantora -, e o produtor Kristel Laiblin vão trabalhar no projeto. Os três serão produtores executivos.

Segundo o Deadline, Selena está em negociações finais para que a série seja exibida pela Netflix e se o projeto for aprovado, a temporada será composta por treze episódios, o que nos leva a acreditar que cada um irá focar-se em um porquê que levou Hannah Backer a cometer suicídio.

Desde 2011, uma adaptação do filme vem sendo discutida e a própria Selena era apontada como a protagonista, mas até o momento não foi revelado se ela irá realmente dar vida à Hannah. Espero que a Selena seja confirmada pois sou grande fã dela, mas se ela limitar-se apenas a produção, ainda ficarei feliz pois espero a adaptação do livro há anos.

E se você não conhece o livro, leia a resenha dele aqui. A história gira em torno de Clay Jensen que retorna da escola para casa e encontra uma misteriosa caixa com fitas cassete dentro, gravadas por Hannah Baker, sua colega de classe por quem ele era apaixonado. Acontece que Hannah cometeu suicídio duas semanas antes e explica treze razões por que ela decidiu acabar com sua vida. E Clay é um delas.

E se for reproduzir essa notícia no seu blog, não esqueça dos devidos créditos ao Crush For Books

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

[TAG] Eu devia odiar, só que não!

E aí, pessoal! Como eu disse no post da TAG Amizade Literária, eu iria trazer mais tags para o blog e enfim, estou aqui com a segunda. Ela se chama Eu devia odiar, só que não! e também vi no Recanto da Mi. Ela funciona da seguinte maneira: você deve listar vilões que você deveria odiar, mas acabou acontecendo o contrário.

Eu simplesmente adorei essa tag pois (ás vezes) acabo gostando mais deles do que dos próprios protagonistas, então vamos ver quem são os meus favoritos? Se eu tiver mais de um na mesma série, os dois serão colocados na mesma posição.

OBS: Tentarei ser o mais "limpo" possível, mas esse post pode conter spoilers das séries, portanto cuidado se você não as acompanha e pretende fazer isso!


1. Katherine, Damon, Kol, Klaus e Kai - The Vampire Diaries:

Ok, assumo que já comecei roubando e coloquei cinco personagens em uma mesma categoria, mas é impossível não amar esses personagens! Katherine é a dissimulação mór da série; Damon, apesar de não ser um vilão propriamente dito, também tem seus momentos maldosos; os irmãos Klaus e Kol também causam várias guerras em Mystic Falls; e Kai, por fim, foi - na minha opinião - o salvador da 6ª temporada.


2. Faye e Jake - The Secret Circle:

Eu AMO a Phoebe Tonkin e o Chris Zylka, então vocês já imaginam como fiquei ao ver que os personagens dos dois iriam se envolver, não é? E Faye e Jake são o tipo de casal que não dão o braço a torcer, ou seja, eles não assumem que se amam de verdade, mas a atração (e maldade) sempre está presente quando eles estão juntos. Até hoje não superei o cancelamento da série :/


3. Blair, Chuck e Georgina - Gossip Girl:

Dos três, Georgina é a mais vilã; mas Blair e Chuck também já colocaram suas garrinhas de fora - todos os personagens da série, se analisarmos friamente. Mas é impossível resistir ao sarcasmo desses três, principalmente quando eles estão brigando entre si (ou unidos por um mesmo objetivo).


4. Alison DiLaurentis - Pretty Little Liars:

Quem acompanha PLL, vê pelos flashbacks o quanto Ali era perversa com seus colegas de escola e com as Liars (e olha que essas são suas "amigas"). Imagina o que a menina já aprontou e nós não vimos? Mas como eu sempre tenho uma queda por vilões, não consigo odiar (por muito tempo) a personagem.


5. Tate Langdon e Madison Montgomery - American Horror Story:

Para quem não conhece AHS, a série é uma antologia, ou seja, a cada temporada acompanhamos uma história diferente. Tate está na primeira, Murder House, e é o melhor personagem da temporada. Já Madison está na terceira, Coven, e também rouba toda a cena para si. Emma Roberts é uma das minhas atrizes favoritas e ela sempre arrasa fazendo vilãs, então vale mencionar ainda Chanel da série Scream Queens e Jill do filme Pânico 4.


6. Sutton Mercer - The Lying Game:

TLG também é de Sara Shepard, a mesma criadora de Pretty Little Liars, e acho a série (tanto nos livros como na TV) melhor do que PLL. Infelizmente, TLG foi cancelada na 2ª temporada, mas com apenas duas temporadas foi possível ver o quanto Sutton é manipuladora e capaz de tudo para conseguir o que quer, principalmente no final da 1ª temporada, que deixa o telespectador de queixo caído.


7. Theo Raeken - Teen Wolf:

Theo é o mais recente exemplo de falsiane das séries de TV. Ele chega em Beacon Hills fingindo ser amigo de Scott, mas na verdade, está junto com outros vilões que desejam destruir ele e seus amigos. Admito que gosto mais do personagem porque quem o interpreta é o Cody Christian (de PLL), mas que ele é bem sádico, é inegável.


8. Junior - Under The Dome:

Muitos consideraram Junior um sádico, mas eu simplesmente adoro o personagem e tenho pena dele. É visível que ele desenvolveu esse desequilíbrio por nunca ter recebido atenção dos pais. Gosto tanto do personagem que shippo até hoje ele e Angie, pois apesar dos pesares, ele mostrou que gostava dela de verdade.

---

E esses foram meus vilões preferidos! Claro que tem muito mais, mas preferi focar apenas nos de séries de TV. Quem sabe no futuro não role essa mesma tag com personagens de livros?! Espero que tenham gostado, e digam nos comentários os seus vilões preferidos para vermos se temos algum em comum!

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

[Resenha] Diários do Vampiro - O Retorno: Meia-Noite - L.J. Smith

Autora: L.J. Smith
Editora: Galera Record
Páginas: 400
Classificação: 3.5/5 estrelas
Título Original: The Vampire Diaries: The Return: Midnight

Elena conseguiu resgatar Stefan da terrível prisão em que ele se encontrava, mas de volta à Fell’s Church, ele está tão enfraquecido que mesmo o poderoso sangue da amada parece incapaz de devolver suas forças. 

Já Damon é alvo de uma magia muito poderosa, que o transforma em humano. Disposto a tudo para recuperar seu antigo poder, ele não hesita em enganar os amigos para conseguir o que quer, e nada vai impedi-lo de voltar à Dimensão das Trevas. Enquanto isso, o plano dos demônios kitsune enfim chega ao seu ápice e parece impossível conter o avanço da Última Meia-Noite.

Resenha:

A última Meia-Noite será mortal.

Depois de finalizar essa trilogia, posso afirmar o quanto ela foi um erro. Se os três primeiros livros foram excelentes e o quarto conseguiu se segurar - mesmo com os pontos negativos -, o mesmo não aconteceu com os de O Retorno. Todos livros dessa segunda trilogia chegaram em um ponto que foram extremamente arrastados e que eu não via a hora de chegar logo na última página.

Felizmente, Meia-Noite consegue ser menos pior que Almas Sombrias (foco no "menos pior") e até tem seus pontos positivos, como o foco em Fell's Church ser maior. No livro passado, esse plot (que é o único que se salvou nesses três livros) foi deixado de lado e autora focou-se em criar um quase romance de Damon e Elena - nem preciso dizer que isso, junto com as cenas desinteressantes, destruíram o livro, né? Mas aqui a maldição sobre as crianças é até bem explorada e você fica curioso para ver como tudo vai terminar. E a conclusão dessa história e a descoberta de quem estava por trás dos irmãos Shinichi e Misao me deixou de queixo caído, realmente não tinha desconfiado de tal personagem.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Daniel Sharman será Hardin de After?

Desde que a adaptação de After foi anunciada, muito se especulou quem viveria o casal Hardin e Tessa, e entre os preferidos dos fãs (e da própria Anna Todd) estão Daniel Sharman e Indiana Evans. E, ao que tudo indica, Daniel viverá mesmo o personagem nos cinemas!

Jennifer Gibgot, produtora do filme, publicou ontem em seu Instagram uma foto onde aparecia com Daniel e Anna e anunciou na legenda que eles estavam em reunião devido aos pedidos dos fãs para que o ator viva Hardin: 


Daniel até chegou a seguir a produtora e curtir um tweet do @AfterBrasil_, mas descurtiu minutos depois (tentanto esconder até uma confirmação oficial, talvez?). O quinto livro, Depois da Promessa, já foi lançado no Brasil pela Editora Paralela.

Agora só nos resta esperar e torcer para que tudo se concretize. E você, feliz com a escolha? E se for reproduzir essa notícia no seu blog, não esqueça dos devidos créditos. 

domingo, 11 de outubro de 2015

[Resenha] Gossip Girl - Eu Mereço! | Cecily Von Ziegesar

Autora: Cecily Von Ziegesar
Editora: Galera Record
Páginas: 320
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Gossip Girl - Because I'm worth it

Serena está totalmente apaixonada por Aarom, Vanessa e Dan parecem dois pombinhos melosos, Jenny encontra uma nova paixão e Blair está de volta à ativa, flertando com um homem mais velho, que pode ser o seu passaporte para Yale. Até mesmo Nate se depara com um novo romance na clínica de reabilitação para onde é enviado depois de ser flagrado em ação no Central Park. Muito açucarado? Pode esquecer... 

Depois da Fashion Week de Nova York, na qual todos os personagens acabam se envolvendo de uma forma ou outra, o clima de amor está no ar é soterrado junto com a neve que castiga a cidade. Traição, mentiras, fama, rompimentos e beijos entre meninas são só alguns dos ingredientes deste novo volume da série. Nada que escape ao olhar atento de cada vez mais misteriosa Gossip Girl.

OBS.: Esse é o terceiro livro da série e pode conter spoilers do primeirosegundo e terceiro livros.

Resenha:

Quando chega o Dia dos Namorados...

Prontos para mais um livro de Gossip Girl? Eu realmente gosto dessa série de livros porque elas não tem uma trama complicada ou que precise de um racíocinio forte para entendê-la. É apenas uma história que acompanha adolescentes, quase como uma novela. E a série é uma boa pedida para quando você está em uma ressaca literária ou um pouco cansado de distopias ou dramas, por exemplo.

Como eu disse na resenha de Eu Quero Tudo!, o objetivo de Cecily não é emocionar os leitores com um drama, mas sim mostrar um lado obscuro e até promíscuo dos personagens, arrancando gargalhadas dos leitores. E eu já estou envolvido com esse mundo e personagens, sempre torcendo para que eles consigam seus alcançar seus sonhos. Mas enquanto isso não acontece, nós vamos acompanhando os caminhos para isso.

Apesar desse livro não ter superado o anterior, gostei muito dele e ele tem sua parcela de importância para a série, afinal alguns personagens começam a mudar seu modo de agir e pensar nesse volume, como Nate, que começa a ver que a vida que levava drogando-se praticamente o tempo todo não é lá a melhor. E com a ida do personagem para uma rehab, temos a oportunidade de conhecer Georgina Sparks, que é importante na série de TV. Não sei se a personagem vai ter a mesma relevância ou carisma nos livros, mas estou animado para ver se isso acontece nos próximos.

sábado, 10 de outubro de 2015

[Resenha] Gossip Girl - Eu Quero Tudo! | Cecily Von Ziegesar

Autora: Cecily Von Ziegesar
Editora: Galera Record
Páginas: 288
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Gossip Girl - All I Want is Everything

Neste livro namoros começam, outros terminam, alguns terminam e recomeçam. Quais? Nossa adorável fofoqueira irá contar tudo neste livro, menos, é claro, quem ela é. Se você estava louco para saber, sim, Serena e Blair voltaram a ser melhores amigas e vão curtir o Natal em um resort no Caribe, para fugir do frio nova-iorquino e, mais ainda, de suas confusões amorosas. Só que as férias não dão muito certo quando a mãe de Blair resolve contar uma novidade bombástica...

Jenny e Nate passam um dia pra lá de romântico no Central Park, mas alguém filmou o que não devia... Nate conseguirá ser um namorado tão fofinho? Dan está em crise criativa e não sabe o que fazer. Vanessa tem uma solução picante, mas era que ele irá gostar da idéia? E o melhor ainda está por vir: a fantástica festa de ano-novo organizada por Serena.

OBS.: Esse é o terceiro livro da série e pode conter spoilers do primeiro e segundo livros.

Resenha:

Enquanto a faculdade não chega, as festas fim de ano são uma boa pedida.

Para quem assiste ou assistiu a série e está acostumado com as personalidades dos personagens na mesma, os livros de Gossip Girl podem não ser a melhor leitura do mundo, afinal os personagens aqui são muito mais promíscuos e "sujos" do que no seriado. Mas é aí que está a graça do livro. A série de Cecily Von Ziegezar não quer emocionar ou marcar os leitores com um drama ou quotes, o objetivo dos livros é justamente mostrar esse lado "mal" dos personagens.

Acho que isso é um dos pontos que me fazem querer continuar a série. Além da misteriosa Gossip Girl, que consegue me tirar várias risadas, quero saber até onde os personagens estão dispostos a irem para conseguir o que querem. E se série eles são mais suavizados, mas ainda assim cometem vilanias e trapaças, imagina aqui onde são todos uns piores que o outro. E como a própria GG diz, nós amamos isso.

Nesse volume, a seriedade de ir para a faculdade do livro anterior é deixada de lado, e todos voltam a ser os jovens festeiros do primeiro livro. O natal e ano-novo já está se aproximando e todos querem curtir as festas de fim de ano no melhor estilo. Serena é, para todos os efeitos, a protagonista da série; mas é Blair que recebe maior destaque nesse livro. E mesmo Serena sendo minha personagem favorita tanto nos livros quanto na série, esse destaque sobre Blair foi muito bom, pois vimos que a personagem não é tão dependente de Nate como nas duas primeiras temporadas do seriado. E não lembro se nos outros livros, a doença de Blair foi citada, então é aqui que temos o primeiro contato com ela.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Título e data de lançamento do quinto livro de "A Seleção"!


Finalmente foi divulgado o título do quinto volume de A Seleção! O último da série se chamará The Crown (A Coroa, em português). A previsão de lançamento é para o dia 03 de Maio de 2015, como mostra o banner abaixo, divulgado pela Harper Teen, a editora americana dos livros

:
A Editora Seguinte já confirmou que o lançamento no Brasil será simultâneo com o dos Estados Unidos e o título como A Coroa. Vale lembrar que além do último livro, teremos o lançamento de "Felizes Para Sempre" no dia 18 de Outubro, que reunirá todos os contos da série. E se você não conhece a série, veja as resenhas de todos os livros abaixo:

#4 - A Herdeira
#4,5 - Felizes Para Sempre
#5 - A Coroa

E se for reproduzir essa notícia no seu blog, não esqueça dos devidos créditos. 

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

[Resenha] Feios - Scott Westerfeld

Autor: Scott Westerfeld
Editora: Galera Record
Páginas: 415
Classificação: 3/5 estrelas
Título Original: Uglies

Tally está prestes a completar 16 anos, e ela mal pode esperar. Não por sua carteira de motorista – mas para se tornar bonita. No mundo de Tally, seu aniversário de 16 anos traz uma operação que torna você de uma horripilante pessoa feia para uma maravilhosa pessoa linda e te leva para um paraíso de alta tecnologia onde seu único trabalho é se divertir muito. Em apenas algumas semanas Tally estará lá.

Mas a nova amiga de Tally, Shay, não tem certeza se ela quer ser bonita. Ela prefere arriscar sua vida do lado de fora. Quando ela foge, Tally aprende sobre um lado totalmente novo do mundo dos bonitos – que não é tão bonito assim. As autoridades oferecem a Tally sua pior escolha: encontrar sua amiga e a entregar, ou nunca se transformar em uma pessoa bonita. A escolha de Tally faz sua vida mudar pra sempre.

Resenha:

Em um mundo de extrema perfeição, o normal é feio.

Há muito tempo, queria ler Feios. A premissa é totalmente original e chamativa, afinal como seria um mundo onde todas as pessoas são perfeitas? Mas eu sempre colocava vários livros na frente até que encontrei a série completa em promoção e comprei. E diferente da sociedade da distopia, a história não é lá tão perfeita...

Por pouco não desisti dessa leitura, sério! O começo do livro é extremamente arrastado e por várias vezes, lia páginas e mais páginas, mas acabava desistindo e fechando o livro. Nada acontecia na história e eu não conseguia me conectar com ela. Mas continuei tentando gostar da história e confesso que ela até melhora a partir da segunda parte, mas ainda assim, continuava com um sentimento de que nada realmente importante acontecia, entendem? Esse sentimento só acabou quando cheguei na terceira e aquele clima de distopia começou.

domingo, 20 de setembro de 2015

[Resenha] Férias Infernais - Diversas Autoras

Autoras: Cassandra Clare, Claudia Gray, Libba Bray, Sarah Mlynowski e Maureen Johnson
Editora: Galera Record
Páginas: 272
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Vacations From Hell

Mais uma vez, cinco grandes autoras se reúnem para contar histórias sobrenaturais... de férias que não se saíram muito como o planejado! Acham perder a bagagem um grande problema? A viagem dos seus sonhos pode se tornar um pesadelo! Imagine ter de dividir os aposentos com uma bruxa rancorosa. E queimaduras de sol podem até ser ruins, mas nada se comparadas a uma maldição... Sombra e água fresca? Que nada. Todo mundo sabe que quando adolescentes saem de férias estão mesmo à procura de aventuras inesquecíveis. Mas é preciso tomar cuidado com o que se deseja. Estes cinco contos sobrenaturais repletos de terror, vingança e maldições vão fazer você pensar duas vezes antes de escolher o próximo destino.

Resenha:

A viagem dos seus sonhos pode se tornar um pesadelo.

Férias Infernais é o quarto volume da coleção de contos infernais, composta por Formaturas InfernaisAmores Infernais e Beijos Infernais. Quem já leu minhas resenhas dos livros anteriores, sabe que minha relação com a série não é uma das melhores, mas sempre leio os lançamentos pois são contos de diversos autores, então sempre existe a chance de ter alguns realmente bons.

O conto inicial, Cruzeiro, da Sarah Mlynowski, abre o livro com chave de ouro e é o melhor, na minha opinião. Os personagens são cativantes e o suspense é presente do início ao fim. Ele conta a história de duas amigas que vão a um cruzeiro e no mesmo, pessoas começam a desaparecer enquanto a imprensa começa a colocar a culpa pelos desaparecimentos em vampiros. Pelo fato do gênero Terror/Suspense ser o meu favorito, eu já sabia que nada era o que realmente parecia ser; mas ainda assim me surpreendi com o final. O único ponto negativo foi justamente a revelação, já que antes dela há uma cena que "impossibilitaria" tal conclusão.

O segundo conto e Não gosto da sua namorada, de Claudia Gray, e conta a história de Cecily, uma bruxa que todo ano sofre nas mãos de sua maior inimiga Kathleen durante as férias que as duas passam com suas famílias. E para piorar, Kathleen começa a namorar um garoto e Cecily se interessa por ele. De todos, esse é o conto mais "bobinho", afinal nada de tão grave acontece. E a protagonista também não é lá uma personagem carismática. E com o final do mesmo, me perguntei porque a mesma nunca tentou desmascarar Kathleen antes se é tão esperta como se mostrou durante a história.

Logo em seguida temos A Lei dos Suspeitos, de Maureen Johnson, e foi graças a ele que o conto anterior se salvou de ganhar o título de mais chato do livro. Ele acompanha as irmãs Charlie e Marylou que se vêem presas em um casa de férias do primo, enquanto descobrem que o vizinho é um cara bem estranho. Além de demorar a engatar, o conto é um pouco confuso em certos pontos e com o seu fim, ficamos sem respostas para algumas perguntas - como o porquê do primo das irmãs demorar tanto a chegar. E juntando com tudo isso, os personagens não são cativantes e não temi pela vida de nenhum, para falar a verdade.

O quarto conto é A Casa dos Espelhos e o mais esperado pelos leitores, afinal foi escrito pela Cassandra Clare. Eu ainda não li nada dela - só vi a adaptação de Cidade dos Ossos e agora quero ler os livros - mas esse também era o que eu mais queria ler pois acho o título mais chamativo da coleção. O conto segue Violet e Evan, adolescentes que tornam-se "irmãos" após o casamento de seus pais e são obrigados a viajar com eles para uma casa de praia. Lá, eles conhecem a vizinha e Violet logo percebe que ela não é tão inocente como aparenta. Esse conto não é tão original, mas gostei bastante dos personagens e o final me fez amar Violet mais ainda. PS: se algum dia esses contos virarem série de TV/filme, Evan Peters e Taissa Farmiga TERÃO que ser Evan e Violet, haha (entendedores entenderão!).

O último é Nenhum Lugar é Seguro, de Libba Bray, que fecha a coleção com chave de ouro. A história acompanha a viagem de quatro amigos que ao chegarem em Necuratul, descobrem que a cidade é mais sombria do que aparenta. Esse conto é o segundo melhor, perdendo apenas para o primeiro. É fácil imaginá-lo como um filme e não ficaria surpreso se ele ganhasse uma adaptação. Mas assim como o de Cruzeiro, o final pode ser descoberto bem antes das revelações pelos leitores mais especializados com o gênero - por mais que ela tenha me surpreendido em certos pontos. Os personagens também são bem desenvolvidos, o que faz o leitor se identificar e torcer por suas vidas.

No geral, eu gostei desse volume. Assim como em Amores Infernais, curti a maioria dos contos e destaco Cruzeiro, Nenhum Lugar é Seguro e A Casa dos Espelhos. Como esse é, até agora, o último livro da coleção, ela está finalizada. Mas se novos volumes cheguem - o que é quase certo -, estarei aqui esperando.

domingo, 13 de setembro de 2015

[Resenha] 365 Dias do Ano: Staying Strong - Demi Lovato

Autora: Demi Lovato
Editora: Best Seller
Páginas: 409
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Staying Strong

Para a mega estrela Demi Lovato, a vida tem sido uma jornada — de conquistas impressionantes e perdas arrebatadoras. Cantora recordista de vendas, apresentadora de TV e atriz, ela enfrentou batalhas com a depressão e a dependência, tudo isso sem desistir de encontrar a felicidade e a si mesma. Demi compartilhou sua trajetória na mídia, nas letras de suas músicas e para seus 17 milhões de seguidores no Twitter. Esses tweets resultaram neste livro, uma obra em 365 insights honestos, esperançosos e impactantes. Aqui estão, nas próprias palavras de Demi, as citações que a inspiraram, assim como suas reflexões pessoais e seus objetivos. Demi Lovato — 365 dias do ano é para todos, em qualquer lugar, que precisem de conforto, inspiração e um motivo a cada dia para serem fortes em sua própria trajetória.

Resenha:

"Seja forte, seja corajoso, ame muito e de verdade, e você não terá nada a perder." - Demi Lovato. (pág. 9)

Lembro-me que fiquei muito animado quando Demi anunciou que escreveria esse livro. Eu sempre gostei da cantora desde a era Disney, e minha admiração por ela só cresceu quando ela divulgou seus problemas e aceitou ir para uma clínica de reabilitação - quando muitos artistas preferem esconder por medo de perder chances. Ninguém sabia o tema mas a especulação de ser uma biografia sobre esses momentos era a mais forte. Mas quando o livro foi lançado, vimos que era algo mais.

Demi usa, sim, os momentos difíceis que passou na carreira mas em nenhum momento se faz de vítima. Ela sempre admite seus erros e nunca se faz ser o foco do livro. O seu objetivo com a obra é mostrar que, assim como ela, pessoas com problemas como bullying e auto-mutilação também podem passar por isso e curar-se. Os pensamentos, sejam da própria ou citações de outras pessoas como Miley Cyrus, Marilyn Monroe e Buda são presentes para cada dia do ano com um comentário sobre o que Demi entendeu de determinada frase ou pensamento, com um objetivo a ser comprido após a leitura.

Mesmo que você não passe por tais problemas, a leitura desse livro é benéfica. Existem vários pensamentos lindos e marcantes. Perdi as contas de quantas citações destaquei e que me tocaram e 365 Dias do Ano é o tipo de livro que você pode sempre manter por perto para reler sempre que precisar de uma frase ou de uma motivação. Na prática, pode ser difícil não sentirmos raiva ou ódio de alguma coisa ou pessoa; porém se conseguíssemos viver sem esses tipos de sentimentos, com certeza seríamos pessoas melhores. E essa é uma das propostas do livro: rever seus conceitos para saber se você está de bom consigo mesmo.

O único problema que encontrei é que alguns pensamentos se contradizem, mas nada que seja algo grave, afinal o livro é para ser lido a cada dia do ano - apesar de quase todo os leitores terem lido todo de uma vez, óbvio. Seja você adolescente ou adulto e passe ou não por tais problemas, esse livro vai te tocar em algum momento. E a diagramação só deixou tudo mais bem feito. Observem cada imagem de pássaros antes de cada capítulo. A última confirma o que os leitores mais atentos começam a entender nos primeiros meses.

365 Dias do Ano - Staying Strong é um livro que indico para qualquer pessoa, sem nenhum receio. Com o fim da leitura, tive a certeza de vários valores que aplico na minha vida e convivio com outras pessoas. Para algumas pessoas pode parecer apenas um livro com palavras bonitas nos dias atuais que vivemos, mas podem acreditar, é muito mais do que isso. Se você tiver oportunidade, leia esse livro. Você não vai se arrepender!

sábado, 12 de setembro de 2015

[Resenha] Círculo Secreto: A Prisioneira - L. J. Smith

Autora: L. J. Smith
Editora: Galera Record
Páginas: 240
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Secret Circle - The Captive

Cassie é chantageada por Faye para roubar o poderoso Crânio de Cristal, e, por acidente, as duas liberam uma força maligna, que Cassie acredita ser responsável por vários assassinatos que imitam os tortuosos atos dos julgamentos das bruxas de Salem. 

Enquanto isso, o Círculo chega à um ponto crucial na história, no qual deve ser escolhida uma nova líder, e, com Faye ameaçando revelar os segredos mais profundos de Cassie, pode significar desastre para todos os envolvidos.

Resenha:

Onde se esconde o verdadeiro mal?

Eu era viciado na série The Secret Circle e até hoje, não aceito que a CW cancelou a mesma com o fim da 1ª temporada. Mas como nada podia ser feito, o jeito era continuar a acompanhar a série pelos livros, mesmo sabendo que elas possuíam diferenças. Então, comprei o primeiro livro e com o fim do mesmo, só queria correr o mais rápido possível para a continuação. Coisa que só aconteceu quase um ano depois - li o primeiro em outubro de 2014 e o segundo só agora, em setembro de 2015.

Sem dúvidas, sou apaixonado por essa série seja nos livros ou na adaptação. Mesmo com todo esse tempo de diferenças entre as leituras, os acontecimentos de A Iniciação ainda estão frescos em minha mente, de modo que não precisei reler o livro para ler A Prisioneira. E que continuação! Esse livro é tão bom quanto o primeiro, a narrativa de L.J. Smith é maravilhosa. Ela também soube narrar muito bem sua trilogia inicial de Diários do Vampiro e em ambas, o ritmo é frenético. Você passa as páginas e quando se dá conta já está na metade ou até perto do final.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

[Resenha] Diários do Vampiro - O Retorno: Almas Sombrias - L.J. Smith

Autora: L. J. Smith
Editora: Galera Record
Páginas: 448
Classificação: 3/5 estrelas
Título Original: The Vampire Diaries: The Return: Shadow Souls

Stefan foi capturado por espíritos demoníacos e está preso na Dimensão Sombria, onde rumores dizem que vampiros e demônios andam livremente, mas humanos são mantidos como escravos por seus mestres sobrenaturais.

Elena pede ajuda a Damon e, com Matt, vai até lá resgatar Stefan. O problema é que a tensão entre ela e Damon continua aumentando. Qual dos irmãos Salvatore Elena realmente quer?

PS: Esse é o 6º livro da série, então a resenha poderá ter spoilers dos anteriores.

Resenha:


Unidos por Stefan.

A cada livro, parece que Diários do Vampiro decai. Reunião Sombria não foi tão bom quanto os três primeiros e Anoitecer também teve vários defeitos, mas Almas Sombrias venceu os dois em disparada. Esse sexto livro é - até agora - o pior livro da série, na minha opinião. Quase nada funcionou nesse volume, o que deixou mais frustrado pois a autora disse em uma entrevista que esse é o seu preferido e isso me deixou mais esperançoso por uma melhoria em relação ao anterior.

A história desse volume é totalmente contraditória com a proposta da série e do próprio livro, que seria salvar Stefan da prisão Shi no Shi. Porém isso só ocorre nas dez últimas páginas, deixando as outras 435 (!) totalmente aleatória ao apresentar uma história sobre escravos (!!) que Elena e os outros salvam. Os "fangirls" da série irão dizer que esse plot serviu para que Elena encontrasse o objeto que precisava para salvar Stefan, mas várias páginas poderiam ter sido cortadas e deixariam o livro mais ágil.

Agora entendo porque em uma entrevista, L.J. Smith disse que a editora a pediu para escrever livros mais curtos. Os próprios viam que esse número de páginas era desnecessário. E se no livro anterior, o clima da série original estava se esvaindo, nesse ele se vai de vez. Não senti qualquer conexão com o clima original e a única coisa boa do livro anterior - que foram as possessão de Shinichi e Misao sobre os habitantes de Fell's Church - não tem qualquer importância aqui. São poucas cenas na cidade e em nenhuma vemos possessões, apenas conversas chatas entre Matt e Sra. Flowers.

sábado, 22 de agosto de 2015

[Resenha] Diários do Vampiro - O Retorno: Anoitecer - L.J. Smith

Autora: L. J. Smith
Editora: Galera Record
Páginas: 444
Classificação: 3.5/5 estrelas
Título Original: The Vampire Diaries: The Return: Nightfall

Essa nova saga começa com Elena voltando dos mortos. Ela volta do além com poderes humanos, o que faz seu sangue pulsar com uma força esmagadora e única, sendo irresistível para todos os vampiros.

Stefan está convencido em manter Elena segura e pretende deixar Fell’s Church. Damon, porém, é impulsionado por um desejo insaciável de poder, e quer que a Elena como sua princesa. Quando Stefan é afastado de Fell’s Church, Damon tenta convencer Elena que ele é o irmão que ela deveria ter escolhido, mas a escuridão está infiltrando a cidade e, agora Damon que sempre foi o caçador, está sendo a caça. Ele é a presa de uma criatura maléfica que pode possuí-lo à vontade que deseja não somente o sangue de Elena, como também sua morte.

Resenha:

Elena, Stefan, Damon e cia. estão de volta!

Ao finalizar Reunião Sombria, fiquei louco para começar a nova trilogia de Diários do Vampiro devido ao final do último livro. Porém, antes de começar o livro vi várias pessoas falando que esse é o pior da saga, que é muito confuso, etc; o que me deixou meio receoso - afinal por mais que o último livro tenha seus méritos, eles também possui os defeitos citados pelos leitores em resenhas por aí. E, infelizmente, todos esses defeitos realmente estiveram presentes na leitura.

Primeiro que não temos uma explicação do porquê Elena voltou dos mortos. Não sei se essa explicação final virá nos próximos livros - o que eu acredito que não por conta de que L.J. Smith foi demitida e a série é escrita agora por ghostwriters -, mas a que temos aqui não é convincente. E é esse plot que comanda os primeiros capítulos do livro, onde temos uma Elena totalmente diferente da anterior. Confesso que apesar de ficar ansioso para ter uma explicação desse estado "vegetal" da personagem, esse começo foi um pouco arrastado.

Mas Lisa merece elogios por ter feito uma narrativa em terceira pessoa e compartilhada nesse livro, ou seja, podemos acompanhar Elena, Stefan, Damon, entre outros personagens, todos ao mesmo tempo. E adoro narrativas assim porque elas nos dão mais detalhes da trama do que narrações apenas do protagonista da história. Além disso, no momento que Elena volta ao normal a verdadeira história do livro começa e ele fica ágil e macabro. Lembro que em uma entrevista da autora, ela revelou que nos primeiros livros não pode colocar um suspense tão alto e o romance devia ser o foco. E como a série voltou ao auge depois do lançamento de Crepúsculo, a editora deve ter dado liberdade para ela escrever o que quisesse - e eles lucrassem mais com isso, convenhamos.

[Resenha] Lonely Hearts Club - Elizabeth Eulberg

Autora: Elizabeth Eulberg
Editora: Intrínseca
Páginas: 302
Classificação: 3.5/5 estrelas
Título Original: The Lonely Hearts Club

Penny Lane Bloom cansou de tentar, cansou de ser magoada e decidiu: homens são o inimigo. Exceto os únicos quatro caras que nunca decepcionaram uma garota — John, Paul, George e Ringo. E foi justamente nos Beatles que ela encontrou uma resposta à altura de sua indignação: Penny é fundadora e única afiliada do Lonely Hearts Club — o lugar certo para a mulher que não precisa de namorados idiotas. O clube, é claro, vira o centro das atenções na escola McKinley. Penny, ao que tudo indica, não é a única aluna farta de ver as amigas mudarem completamente (quase sempre, para pior) só para agradar aos namorados, e de constatar que eles, na verdade, não estão nem aí para elas. Agora, todas querem fazer parte do clube, e Penny é idolatrada por dezenas de meninas que não querem enxergar um namorado nem a quilômetros de distância. Jamais. Seja quem for. Mas será realmente que nenhum carinha vale a pena?

Resenha:

Porque ninguém precisa de um namorado para ser feliz.

Eu adiei muito a leitura desse livro porque a sinopse e a capa gritavam que ele era um caso grave de feminismo e bem clichê. E como eu o ganhei, não sofria da pressão "tenho que ler porque comprei". Mas com o fim de A Mediadora, precisava ler algo sem maiores pretensões antes de embarcar na nova trilogia de Diários do Vampiro, e como ele era o único livro não lido que se encaixava nisso, resolvi arriscar.

A história de Lonely Hearts Club é de fato bem clichê. Existem milhões de livros e filmes com a mesma temática e é possível saber o que vai acontecer na cena seguinte porque já vimos isso em outra obra. Mas é uma repetição que consegue prender o leitor. E isso é, sem dúvidas, uma qualidade para o livro porque ele é claramente voltado para o público feminino por volta dos 12/15 anos, ou seja, não se encaixa nada comigo - menino e com dezoito anos.

Provavelmente meninas que já passaram por essa fase se identificaram com Penny no primeiro instante, mas eu a achei bem infantilizada. Até entendo o que ela sofreu porque quem não sofreu uma desilusão amorosa que atire a primeira pedra, mas algo nela não me descia. E esse sentimento só mudou com o passar dos capítulos e aos poucos fui gostando dela - e achando até semelhanças em comum. Mesmo assim ela me irritou em alguns momentos perto do fim, mas relevei porque, né...

Como eu já disse, a história é clichê, então o que prende o leitor são os personagens. E Elizabeth conseguiu fugir dos esterótipos usando o famoso "nem todo mundo é como julgamos ser". Mas a principal personagem que usa esse conceito é Diane. Após Penny, ela é a personagem mais desenvolvida e até metade do livro eu ainda desconfiava se suas intenções eram realmente boas ou não. Além das duas, também gostei muito de Ryan. Aliás foi com ele que tive uma identificação imediata, apesar da história ser contada ao ponto de vista de Penny. Já os demais personagens não recebem tanto destaque, mas também não fazem feio quando aparecem.

O final, claro, segue o fator clichê e encerra tudo de forma previsível. Mas era impossível um livro infanto-juvenil não terminar assim. Enfim, se você quiser um livro só para passar o tempo e sem maiores pretensões. E lembre-se: se você é menino e/ou já passou dessa idade, abra a mente e tente relevar afinal o livro não tenta enganar o leitor, ele realmente mostra que é um chick-it, então você não vai estar sendo enganado!

PS: A história também tem várias menções aos Beatles, desde a capa e o nome da protagonista, Penny Lane (nome de uma música deles). Eu não conheço tantas músicas assim deles e nunca me importei em ouvir mais pelas que eu já ouvi (falta de cultura minha, eu sei), então esse ponto não favoreceu e nem diminuiu a história. Mas se você é fã da banda, isso é mais um ponto a considerar a favor da leitura.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Revelada capa de "Círculo Secreto - A Ruptura"

A Galera Record acaba de revelar a capa do quarto livro da série "Círculo Secreto". Intitulado de "A Ruptura", o livro está previsto para a segunda quinzena de Setembro de 2015.


A partir deste volume, a série passa a ser escrita pela ghostwriter Aubrey Clark, devido a demissão de L.J. Smith da série e de Diários do Vampiro. Esse livro também inicia uma nova trilogia. Confira a sinopse dvulgada pela editora:

Após a morte de Black John, Cassie e o restante do Círculo finalmente podem relaxar. Tudo parece ir bem: as Chaves estão em seu poder, Adam e Cassie são oficialmente namorados e o clima da cidade em geral é de recomeço. Mas, enquanto todos comemoram o festival do equinócio de primavera, algo terrível acontece: sem nenhum motivo aparente, tia-avó Constance cai morta. E não parece ser uma morte normal. Agora, resta ao Círculo descobrir o que está colocando em risco a todos.

Você pode conferir a resenha do primeiro livro aqui.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

[Resenha] A Mediadora - A Terra das Sombras | Meg Cabot

Autores: Meg Cabot
Editora: Galera Record
Páginas: 288
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: The Mediator - Shadowland

Suzannah é uma adolescente aparentemente comum que tem um problema com construções antigas. Não é para menos. Afinal, muitas dessas casas velhas são assombradas. E Suzannah é uma mediadora, uma pessoa capaz de ver e falar com fantasmas para ajudá-los a descansar em paz. É claro que esse dom lhe traz muitos problemas. Mas nem ela poderia saber a gravidade do que encontraria ao mudar-se para Califórnia.

Resenha:

Falar com um fantasma pode ser assustador. Ter a habilidade de se comunicar com todos, então, é de arrepiar qualquer um.

A Terra das Sombras é meu primeiro livro da Meg Cabot. Antes, só havia lido o conto A Filha da Exterminadora presente em Formaturas Infernais. Não foi o melhor conto do livro nem o pior, mas me deixou receoso quanto a A Mediadora porque, mesmo com suas enormes diferenças, as obras tem pontos em comum.

Felizmente, A Terra das Sombras é muito melhor do que esse conto. Pensei que a história seria uma coisa bem Young Adult, mas ela é bem mais leve do que isso. Para um público até mais teen, para dizer a verdade. Acho que o fato de ter escrito o livro em 2000 fez com que Meg escrevesse uma história com muito humor, por isso quem procura uma história mais séria talvez esse livro não seja o mais recomendado. Achei a passagem que Suzannah invade a escola a melhor de todas e ri muito. Porém, Meg merece pontos por mesclar o humor com uma narrativa fluída e rápida. O livro se resolve em questão de segundos.

No geral, gostei de todos os personagens, exceto da fantasma que a Suze enfrentou. A achei chata - e olha que eu sempre gosto dos vilões - e espero que ela não volte mesmo sabe-se lá para onde ela foi. Já Suze também ganhou pontos comigo por não ser como todas as mocinhas dos Young Adults (frágil, sempre indefesa, etc). Ela sempre está disposta a ajudar as pessoas, é bem humorada... é gente como a gente, entendem? Também gostei muito do Jesse e ria sempre que ele a chamada de hermosa.

Mas alguns pontos na história me decepcionaram, como o fato de mal chegar na escola, Suzannah já descobri que Padre Dom também é um mediador. Achei um tanto surreal, mas talvez isso tenha acontecido porque a historia desse primeiro livro em si é limitada (e o número de páginas é bem pouca). Também senti falta de uma explicação maior sobre o que houve com Jesse, mas isso não me incomodou tanto pois acredito que ela chegará nos próximos livros. E algo que tudo indica, cada livro seguirá uma história própria.

Enfim, minha primeira experiência com a Meg foi muito bom e apesar desses pontos negativos, acredito que a recompensa final foi maior. E apesar do livro não deixar um plot twist para que o leitor corra o mais rápido possível para O Arcano Nove, eu irei continuar a série. Meg conquistou mais um leitor!

terça-feira, 28 de julho de 2015

[Resenha] Quem é Você, Alasca? - John Green

Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 336
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Looking for Alaska Special 10th Anniversary Edition

Resenha:

Primeira cerveja. Primeiro trote. Primiero amigo. Primeiro amor. Últimas palavras.

John Green é, sem dúvidas, um dos meus autores favoritos. A maneira como ele entende os adolescentes como nós somos é brilhante, por isso ele sempre vai ter seus pontos comigo por isso. Amei A Culpa é das Estrelas e amei ainda mais Cidades de Papel, o que me deixou cada vez mais ansioso por Quem é Você, Alasca?, afinal esse é o melhor livro do autor para muita gente. Ao finalizar a leitura, porém, vi que para mim, ele fica muito abaixo dos dois já citados.

Mas isso não significa que eu não tenha gostado do livro, muito pelo contrário. Ele confirmou mais ainda a minha opinião sobre o John e sua facilidade de retratar e escrever para os adolescentes. Seus personagens são reais, com erros e acertos. São humanos. Adorei e me identifiquei com todos os personagens principais de Quem é Você, Alasca?. Acho que isso é uma dos pontos que mais me fazem fã dos livros do John. Enquanto muitas pessoas criticam Margo e Alasca, por exemplo, eu consigo entender perfeitamente a personalidade das duas.

Alasca, de todos, foi a mais rica. Antes de ler o livro, havia recebido spoiler, mas isso não me fez gostar ou me envolver menos com ela. Miles também foi muito bem desenvolvido e é impossível não torcer por ele. Amei a Hazel, mas depois de ler Cidades... e Quem é Você..., é claro que o John se sente mais livre ao desenvolver um garoto e por também ser um, foi mais fácil me identificar com eles. Principalmente com Miles quando ele descobre que não conhecia a verdadeira Alasca e a ficha de quem está lendo também cai, e percebemos que nós também não conhecíamos a verdadeira Alasca.

Até agora eu penso e penso, mas não chego a conclusão do que realmente Alasca pensou naquele momento. Ambos caminhos são aceitáveis e coerentes. E apesar de Miles ser o principal, é nítido que quando a fase "depois" se inicia, o livro perde um pouco o sentido. E por incrível que pareça, isso não é um defeito. Creio que é esse o real sentimento que John quer passar e ele conseguiu, com certeza.

A única coisa que não me fez dar cinco estrelas para o livro foi que não me conectei tanto com a história, como aconteceu nos outros dois livros do John. Mas isso não diminui ou tira nenhuma das qualidades da história. E na minha opinião, o título brasileiro ficou mil vezes melhor do que a tradução literal do original. Quem é Você... é realmente passa a sensação que o Miles passa na fase "depois". Estou bastante ansioso para ler outras obras do autor e para a adaptação desse livro (e torcendo pela Kaya Scodelario ou a Willa Holland serem a nossa Alasca Young).

[TAG] Amizade Literária


E aí, pessoal. Há muito tempo eu queria trazer tags para o blog, mas sempre tinha preguiça de responder porque para mim, elas funcionam mais em formato de vídeo, mas resolvi trazer esse "quadro" para o blog. E a escolhida para começá-lo é a Tag Amizade Literária, criada pela Mi do blog Recanto da Mi. Vocês podem conferir a tag da Mi clicando aqui.

Ela consiste em citar amizades que conhecemos por meio dos livros. Vamos lá?! Se eu tiver feito resenha do livro mencionado, ela estará presente no título do mesmo. PS: As respostas podem conter SPOILERS dos livros lidos, então leia por sua conta e risco!