sexta-feira, 23 de junho de 2017

[Resenha] Quando Cai o Raio - Meg Cabot

Autora: Meg Cabot
Editora: Galera Record
Páginas: 272
Classificação: 2.5/5 estrelas
Título Original: When Lightning Strikes

Jessica era uma menina normal até ser atingida por um raio enquanto saía da escola. Mas, apesar de não ter ficado nem mesmo chamuscada, acaba descobrindo que ganhou um poder especial: ela agora sabe exatamente onde se encontram as crianças cujas fotos estampam o Disque-Desaparecidos. O problema é que, ao pensar que estava fazendo uma boa ação ligando para o telefone da instituição, ela acaba levantando suspeitas das autoridades... Agora só precisa convencer o FBI a acreditar nela.

Resenha:

Quando cai o raio, isso só pode significar problemas.

Como gostei bastante dos dois primeiros volumes de A Mediadora, decidi dar uma chance à série Desaparecidos, pois achei a premissa interessante e inovadora. Infelizmente, não foi uma experiência totalmente positiva.

A história é realmente inovadora, mas a achei bem infantil - e não de um jeito positivo como A Mediadora. Apesar de ser um livro curto, demorei mais de uma semana para finalizá-lo, porque sentia a sensação de que nada acontecia na história, principalmente no começo - depois que Sean aparece, temos uma leve melhorada no plot principal, mas ainda assim continuou abaixo do que eu esperava.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

[Resenha] Com Louvor - Cecily Von Ziegesar

Autora: Cecily Von Ziegesar
Editora: Galera Record
Páginas: 320
Classificação: 3/5 estrelas
Título Original: Cum Laude

Shipley é sinônimo de boa moça. Nunca faz nada errado, tem uma boa relação com sua família e entrou para uma boa faculdade. Além de tudo, é linda, loura e, surpreendentemente, virgem.

Decidida a se transformar, ela já chega ao campus da Dexter College com um maço de cigarros na bolsa, um chiclete na boca e na primeira noite conhece mais três calouros. De alguma maneira, eles acabam se um grupo nada homogêneo de amigos. Logo todos irão perceber que a faculdade é muito mais do que créditos e notas e que será preciso desrespeitar algumas regras para se divertir muito!

Resenha:

Eles estão na universidade para aprender... tudo.

Eu adoro as séries Gossip Girl It Girl, por isso, estava mais do que ansioso para ler o primeiro livro da Cecily Von Ziegesar fora desse "universo" do Upper East Side. Mas infelizmente, Com Louvor não consegue ser tão bom quanto as duas séries

Começando pelos personagens, nenhum conseguiu ter o mesmo carisma que os de GG. Apesar de não odiá-los por já conhecer o estilo sarcástico de Cecily, não consegui torcer por nenhum, exceto Adam. Ele foi o meu favorito e até curti seu envolvimento com certa personagem, mas não foi "aquele" ship. Ele é realmente um pouco parecido com Dan de GG, mas acredito que ele é mais humano e real do que o segundo. Nick e Eliza são engraçados e os que mais me fizeram rir, ao lado de Tragedy, que foi minha segunda favorita. As partes envolvendo a garota são, de longe, as melhores. Tom, por outro lado, comecei achando-o engraçado, mas o plot twist que o personagem sofre o destruiu. Já Shipley, ora achava aturável, ora detestava. O que eu menos gostei, porém, foi Patrick. Se acha o dono do mundo e é um mal-agradecido.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

[Crítica] Shadowhunters - 2x11/12: Mea Maxima Culpa / You Are Not Your Own


Assuma suas emoções.

Review:
(Spoilers Abaixo)

Depois de três meses, Shadowhunters está de volta com a segunda parte de sua segunda temporada, que, na teoria, deveria ser a melhor, afinal tudo que os fãs dos livros esperavam está acontecendo: Sizzy, Sebastian, Corte Seelie confirmada... enfim, várias peças importantes da série literária marcarão presença neste arco. Entretanto, como tais elementos vêm sendo conduzidos é que decepciona.

Todos estão cansados de saber que uma adaptação nunca será 100% fiel e é perda de tempo brigar por isso em pleno 2017; porém, quando a adaptação tem um material de referência extremamente bem construído e o deixa de lado para investir em algo novo mas que não possui a mesma qualidade, é preocupante. E é isso que os showrunners fazem com diversos plots que inserem na série. Primeiro com Clace e toda a história de incesto. Desde o início ela foi mal feita na série, já que os personagens quase não se importavam com o fato. Para piorar, toda a verdade foi revelada para Jace cedo demais e para Clary logo depois, no episódio de retorno, e ela simplesmente não ligou para isso, pois "está com Simon". Ou seja, além de perderem a chance de mostrar o sofrimento dos personagens por acharem que são irmãos, ainda fazem os sentimentos de Clary para com Jace soar apenas como uma atraçãozinha rápida e que já passou.

Entendo que na TV, essa história de incesto é bem mais complicada, porque há uma associação chata de mães que fazem confusão por qualquer coisa que é exibida à adolescentes, mas haviam tantas formas da verdade ser revelada ao público mas com os personagens ainda acreditando que eram parentes - Valentine poderia contar para um de seus capangas, por exemplo. Mas não, na cabeça dos roteiristas, a melhor saída é acabar com isso e investir no já saturado arco de triângulo amoroso. O pior é que Clary e Simon não tem a menor química como um casal, ainda mais com ela criando essa paixão subitamente, de um episódio para o outro. E seguindo essa mesma revelação sem emoção do plot do incesto, tivemos o de Jace descobrindo que é, na verdade, um Herondale. O roteiro não se preocupou em desenvolver Imogen e mostrá-la como uma mulher amargurada pela perda do filho, jogando isso apenas quando ela descobriu a verdade. Foi uma mudança da água para o vinho e inverossímil. E Jace aceitou tudo sem sequer questionar as ações anteriores da avó que, vale lembrar, tentou exilar Izzy do mundo dos caçadores na temporada passada (!).

sábado, 3 de junho de 2017

[Resenha] Nerve - Jeanne Ryan

Autora: Jeanne Ryan
Editora: Planeta
Páginas: 304
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: Nerve

Você já se sentiu desafiado a fazer algo que, mesmo sabendo que pode se arrepender depois, acaba levando em frente? A heroína deste livro também. Vee cansou de ser só mais uma garota no colégio, e quer deixar os bastidores da vida para assumir seu merecido posto sob os holofotes. 

E o jogo online Nerve, febre nacional transmitida ao vivo, pode ser o início dessa trajetória de sucesso. Basta que ela clique no botão “Jogador” em vez de “Espectador” para entrar na disputa, que propõe, a cada etapa, um desafio novo. A adolescente acaba formando uma dupla imbatível com Ian, um garoto desconhecido com quem trava contato ao se inscrever em Nerve. Juntos, vão galgando posições no jogo. Mas, conforme os dois avançam na disputa, os desafios ficam cada vez mais complexos... e perigosos.

Resenha:

Você é um Observador ou um Jogador?

Desde quando vi o trailer de Nerve e descobri que era a adaptação de um livro, fiquei muito interessado em ler. Acabei assistindo ao filme primeiro, mas ainda assim desejava fazer essa leitura. Além da história chamar bastante minha atenção, queria saber se a ideia havia sido melhor desenvolvida aqui, pois é similar a de The Gameque foi uma decepção.
.
E como foi! A história nos prende desde o primeiro capítulo e é quase impossível parar de ler, de tão frenética. Jeanne conseguiu criar o jogo de uma forma convincente e real, com pessoas dispostas à tudo para conseguir o que querem. E mesmo não concordando com várias atitudes de Vee, provavelmente faríamos o mesmo se estivessemos em seu lugar. A crítica social que a autora faz também é extremamente positiva, pois os Observadores são como o público, que acha que pode dar palpites ou falar mal de famosos simplesmente por eles serem pessoas públicas. O único ponto negativo foram os desafios. Apesar de alguns serem bons, a maioria são bobos se comparado aos do filme.