segunda-feira, 2 de março de 2015

[Crítica] Delirium (Piloto)


Direção: Rodrigo García
Duração: 42 minutos
Ano: 2014
Emissora: FOX / HULU
Título Original: Delirium

Nota: Essa crítica foi escrita em junho de 2014.

Crítica:
(Spoilers Abaixo)

O amor é uma doença.

Quem acompanha o mundo dos seriados ou de adaptações literárias deve saber que em 2013, a FOX anunciou a produção de uma série baseada na trilogia Delírio, de Lauren Oliver. Depois de uma longa espera, nós fãs recebemos um balde de água fria quando a emissora anunciou que não havia aprovado o Piloto, surpreendendo a todos pois o possível show era a maior aposta para Fall Season na época.

Porém, com as voltas da vida, em junho de 2014, o streaming Hulu anunciou que disponibilizaria o episódio por trinta dias. Não seria a série real, mas queria ver como o episódio ficara, principalmente porque três atores que gosto - Emma Roberts, Daren Kagasoff e Gregg Sulkin - eram os protagonistas e, se realmente tivesse ficado tão diferente, seria rapidamente esquecido.

E realmente, há várias mudanças. Logo de cara vemos algumas, como o fato de Lena morar com a irmã e não com a tia, como nos livros, e Hana ser morena e não loira. Apesar disso, gostei bastante do Piloto, pois a essência da história estava ali e isso era o mais importante. Emma e Daren estavam incríveis e fiéis a Lena e Alex, e a química dos dois foi instantânea. Acredito que o maior erro do Piloto foi uma mudança em relação aos pais de Lena e a decisão de resumir todo o primeiro livro em um único episódio. Se a série fosse extensa, seria compreensível, mas são apenas três livros, o que talvez causasse mais distanciamento das obras em certo ponto; além de deixar a relação de Lena e Alex quase um instalove, apesar da já citada química dos atores.


Mas no quesito da história, foi tudo mais fiel. Acredito que a maior mudança foi realmente envolvendo os personagens. Os showrunners misturaram e trouxeram vários que só apareciam nas sequências, como Julian e Fred. É até compreensível essa introdução de todos já no primeiro episódio pelo fato de que seria uma série de 42 minutos, então tempo existiria para desenvolvê-los. Julian, inclusive, teve um novo "interesse romântico" e não vou mentir que seria interessante ter visto mais desse plot. Entretanto, ao mesmo tempo que introduziram personagens posteriores, cortaram outros, como Grace, uma das primas de Lena. Acho que foi a maior baixa, pois ela é importante em certo ponto, e não foi revelado se ela aparecia com o passar dos episódios.

Fiquei bem surpreso pela Fox ter desistido do Piloto, pois além dele ter sido bem produzido, as distopias estão em alta, com o sucesso de Jogos Vorazes e Divergente; além de a história em si ser muito boa. Talvez esse lançamento em parceria com o Hulu seja uma tentativa de dar uma segunda chance ao show - essa prática de pilotos não pegos serem liberados não é tão comum, por exemplo, com os de A Seleção, que foram DOIS mas nenhum viu a luz do dia. Por isso, torço para que a emissora dê uma nova chance para o projeto, seja como série de TV ou filme. Delirium tem todos os requisitos para agradar o público e ter um bom retorno para a emissora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário