segunda-feira, 2 de março de 2015

[Crítica] Delirium (Piloto)


Direção: Rodrigo García
Duração: 42 minutos
Ano: 2014
Emissora: FOX / HULU
Título Original: Delirium

Nota: Essa crítica foi escrita em junho de 2014.

Crítica:
(Spoilers Abaixo)

O amor é uma doença.

Quem acompanha o mundo dos seriados ou de adaptações literárias deve saber que em 2013, a FOX anunciou a compra da trilogia Delirium para transformá-la em série. Depois de uma longa espera, todos nós fãs recebemos um balde de água fria quando a emissora anunciou que não havia aprovado o Piloto. Foi petições e todas aquelas coisas que fazemos para salvar séries canceladas, mas não teve jeito. Porém, com as voltas da vida, em junho de 2014, o canal streaming Hulu anunciou que disponibilizaria o Piloto por 30 dias.

Foi confusão e gritaria, e todos animados para ver como a série havia ficado. Como eu tive que esperar a legenda, fui ver os comentários enquanto ela não saía e vi geral criticando pelas famosas mudanças entre a série e os livros. Mesmo assim, eu não iria desistir da série, porque ela tinha três atores que eu amo (Emma Roberts, Daren Kagasoff e Gregg Sulkin) e se realmente tivesse ficado tão diferente, seria rapidamente esquecido.

Realmente, há algumas mudanças e logo de cara vemos algumas, como o fato de Lena morar com a irmã (nos livros, é com a tia). Mas diferente de que fez um escândalo dizendo que tinham mudado completamente a história, não foi isso tudo, não. Se compararmos com outras adaptações como The Vampire Diaries e Percy Jackson, por exemplo, Delírio não sofreu nem um arranhão. Estamos falando de duas mídias diferentes, com considerações diferentes; então é praticamente impossível essas mudanças não acontecerem. Personagens - e seus interesses - foram retirados, mudados ou acrescentados; mas a essência do livro ainda estava no Piloto.


Aqui, temos Gracie, uma das primas de Lena que não aparece na série. Acho que foi a maior baixa, pois ela é muito fofinha nos livros. Já Julian, que só aparece em Pandemônio, deu as caras aqui e ainda fez par com a Hana. Entendo a revolta dos fãs nessa parte, afinal várias cenas dele com a Lena em Pandemônio são boas, mas temos que ver que esse era o primeiro episódio e como o final foi semelhante ao do livro, eles poderiam muito bem juntar Lena e Julian mais para a frente na série. Ah, também usaram a entrevista de Lena para falar mal, pois nos livros, ela fica de calcinha e sutiã e uma capa transparente, enquanto na série é um vestido. Achei esse motivo extremamente fútil, pois mesmo com vestido, a Emma soube passar muito bem o sentimento da Lena na cena.

Realmente fiquei surpreso com a Fox ter desistido do Piloto pois além dele ter sido bem produzido, as distopias estão em alta, com o sucesso de Jogos Vorazes e Divergente; além de que a história em si é muito boa. Além de serem bem conhecidos pelo público, a Emma e o Daren mostraram uma grande química, representando muito bem a Lena e o Alex dos livros. E ao ler os livros, vejo o quanto as duas escolhas foram boas, pois as características físicas de ambos lembram muito a dos dois nos livros.

Também foi curioso esse lançamento pela FOX e o HULU, pois várias séries já foram canceladas e não tiveram o mesmo tratamento - como The Selection, uma trilogia de sucesso, mas que não teve nenhum de seus DOIS Pilots produzidos divulgados. Por isso, torço para que a emissora dê uma segunda chance para o projeto, seja como série de TV ou filme. Delirium tem todos os requisitos para agradar o público e ter um bom retorno para a emissora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário