sexta-feira, 13 de março de 2015

[Resenha] A Escolha - Kiera Cass

Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 352
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: The One

Nota: Essa resenha foi escrita em Dezembro de 2014 e pode contar spoilers do primeiro e segundo livro.

A Seleção mudou a vida de trinta e cinco meninas para sempre. E agora, chegou a hora de uma ser escolhida. America nunca sonhou que iria encontrar-se em qualquer lugar perto da coroa ou do coração do Príncipe Maxon. Mas à medida que a competição se aproxima de seu final e as ameaças de fora das paredes do palácio se tornam mais perigosas, América percebe o quanto ela tem a perder e quanto ela terá que lutar para o futuro que ela quer. Desde a primeira página da seleção, este best-seller #1 do New York Times capturou os corações dos leitores e os levou em uma viagem cativante ... Agora, em A Escolha, Kiera Cass oferece uma conclusão satisfatória e inesquecível, que vai manter os leitores suspirando sobre este eletrizante conto de fadas muito depois que a última página for virada.

Resenha:

Apenas uma garota levará a coroa.

E chegamos ao fim da trilogia A Seleção, de Kiera Cass. Infelizmente, não gostei tanto desse livro como dos outros, mas isso não quer dizer que ele foi ruim. É só o famoso "fui com muita expectativa e não me supriu totalmente". Mas isso não quer dizer que foi um livro ruim, muito pelo contrário. E o mais engraçado foi que eu o li em Dezembro e a história se passa nesse mês, então algumas datas coincidiam entre o dia no mundo real e na história.

Um dos pontos negativos foi a falta de distopia. Ok, todos sabemos que a trilogia nunca se prendeu tanto nisso, mas como era o fechamento de tudo, pensei que a Kiera se focaria um pouco mais nisso. Tivemos poucas respostas nesse quesito e a sensação foi que a Kiera deu um amplo destaque para o romance e só jogou a distopia no final, fazendo uma coisa muito rápida que precisava de um pouco mais de atenção. Mas achei válidas as respostas e cenas de ação que aconteceram.

Mas sem dúvida, o ponto alto do livro é o romance, afinal foi o elemento que moveu toda a trilogia desde o início. O livro conseguiu realmente me passar que America e Maxon estavam se afastando a cada capítulo. Em vários momentos, queria gritar para os dois que eles acordassem e parassem com todas as brigas que tiveram porque, mesmo com todos os deslizes dos dois e da história em si, me apaguei muito aos dois personagens. America estava muito mais decidida que nos livros anteriores, e mesmo com muita gente criticando o Maxon pelo jeito galinha dele no livro, não achei isso, ele apenas estava tocando a vida, já que achava que America gostava de Aspen.

Os demais personagens também estiveram bons, com exceção de Aspen. Ok, ele foi direitinho durante todo o livro, mas cheguei a conclusão que definitivamente não gosto dele. Mas o destaque vai mesmo para Celeste. Ela nos mostrou uma pessoa totalmente diferente da que era, e vimos que ela apesar de ter cometido algumas armações, no fundo, ela só é uma menina insegura. Só amei mais a personagem depois de conhecê-la de verdade.

O final também foi muito bom. A invasão gerou muita coisa e eu até agora não aceitei o final daquela personagem. Sério, reli umas três vezes essa citação e ainda não conseguia processar o acontecimento. Fiquei bastante decepcionado com a Kiera por isso, mas não tem mais volta. E o final do final (também não entendi, mas ok) foi um típico final de conto de fadas e todos já esperavam né?

Enfim, A Seleção foi uma boa trilogia e apesar de não ter terminado 100%, lembrarei dela com muito carinho pois no pouco tempo que convivi com esses personagens - America, Maxon, Marlee e Celeste -, aprendi a amá-los, odiá-los, amá-los de novo (e aí está a beleza da coisa, eles não são perfeitos! Ninguém é!), além de ter gostado de todos os livros no geral. E como já foi anunciado pela Kiera, um novo livro vem aí, além de dois novos contos, então ainda teremos muito mais A Seleção por vir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário