sábado, 25 de agosto de 2018

[Resenha] A Cura Mortal - James Dashner

Autor: James Dashner
Editora: Plataforma 21
Páginas: 368
Classificação: 4/5 estrelas
Título Original: The Death Cure
Compre: Amazon Brasil

Por trás de uma possibilidade de cura para o Fulgor, Thomas irá descobrir um plano maior, elaborado pelo CRUEL, que poderá trazer consequências desastrosas para a humanidade. Ele decide, então, entregar-se ao Experimento final.

A organização garante que não há mais nada para esconder. Mas será possível acreditar no CRUEL? Talvez a verdade seja ainda mais terrível... uma solução mortal, sem retorno.

Resenha:

Conspirações. Segredos. Revelações.

Os dois primeiros livros de Maze Runner foram ótimos, por isso estava mais que ansioso para ler A Cura Mortal e concluir a trilogia. Os principais acontecimentos finais não eram surpresas para mim, pois já assisti os filmes e sei de quase tudo, mas as adaptações possuem várias diferenças - principalmente as duas últimas -, então sabia que haveriam algumas "novidades" na leitura.

Antes de iniciar a leitura, vi inúmeros comentários de que esse era o pior livro, o que me deixou com medo; e, de fato, ele é realmente o mais inferior até agora, mesmo que tenha bons momentos. Algumas páginas parecem estar ali só para encher o livro e se fossem cortadas, não fariam falta; mas o principal ponto negativo foi a falta de aproveitamento de Teresa, principalmente depois do segundo livro. James poderia ter investido em sua história mas a esqueceu e preferiu priorizar Brenda, que não possui nenhuma história e parece apenas uma seguidora de Thomas. A adaptação desse terceiro volume soube aproveitar Teresa bem mais, por isso gosto bastante dela.


Thomas e o CRUEL também foram muito mal aproveitados aqui, pareciam perdidos a todo momento - principalmente a Organização, que deveria ser cruel - literalmente - mas parecia algo recém criado, de tanta inexperiência que os membros demonstraram. A cena de Thomas na lanchonete, por exemplo, foi o ápice de sua burrice; parece que todos os problemas que ele sofreu antes não o fizeram crescer e me irritei com ele em diversos momentos. Apesar disso, gostei da sua importância em relação à cura para o Fulgor. Foi interessante e deu uma elevada na tensão, assim como a utilização de novos cenários além dos já conhecidos Labirinto e Deserto.

E a condução de Newt nesse terceiro livro foi bem empolgante. Suas cenas são as mais interessantes e torcia por ele à todo momento. As mortes inseridas também se divergem: enquanto uma é dolorosa e faz sentido, a outra é rápida e a menor emoção, soando gratuita e forçada para que a última cena do livro pudesse acontecer. Mais um ponto para a adaptação, que modificou essa sequência, tornando-a dolorosa. O retorno de um certo conhecido de outrora também foi bem bolado e necessário.

No geral, A Cura Mortal foi inferior à Correr ou Morrer e Prova de Fogo e poderia ter sido bem melhor executado, mas continuo gostando da trilogia como um todo e dos personagens. Diferente de muitos, também curti o epílogo; aquele pensamento faz todo o sentido, tanto para uma distopia como para destruições em massa. Agora, pretendo ler os próximos spin-offs para saber mais sobre o CRUEL e o que aconteceu antes.

PS (Spoilers à seguir): Thomas deu um chilique ao descobrir sobre Teresa ajudar o CRUEL, mas perdoou Brenda num piscar de olhos e pela mesma coisa (??). Coerência pra quê, né?!

Nenhum comentário:

Postar um comentário